Na Vila das Aves, um golo de Rafa (04 minutos), uma grande penalidade de Pizzi (52) e um ‘bis’ do estreante Gonçalo Ramos (87 e 90+3) ofereceram o triunfo aos ‘encarnados’, que vão terminar o campeonato no segundo posto e somam 74 pontos, oito abaixo do líder e campeão nacional FC Porto, que reconquistou o título na ronda anterior.

Já o despromovido Desportivo das Aves, cuja administração da SAD ameaçou no domingo não comparecer ao penúltimo jogo da temporada, devido à anulação da apólice de seguro de acidentes de trabalho, que a direção do clube, presidida por António Freitas, desbloqueou um dia depois, mantém-se na 18.ª e última posição, com 17 pontos.

Os nortenhos recusaram jogar os primeiros 60 segundos, num sinal de protesto face aos sucessivos vencimentos em atraso, que resultaram em oito rescisões unilaterais e obrigaram Nuno Manta Santos a utilizar seis atletas sub-23, incluindo o estreante Dimitar Sheytanov, incapaz de deter a finalização de Rafa ao quarto minuto, a passe de Pizzi.

Sem uma exibição empolgante, os pupilos de Nélson Veríssimo assumiram a contenda em modo automático e desencaixaram as marcações alheias graças ao poder criativo de Pizzi, que serviu o cabeceamento torto de Carlos Vinícius aos 15, e à mobilidade de Rafa, que descobriu Chiquinho quatro minutos mais tarde, atirando à figura de Sheytanov.

Afundado em nervos e dúvidas existenciais, o Desportivo das Aves mostrou mais atitude que discernimento na invasão ao último terço e só esboçou uma reação aos 24 minutos, num pontapé de Marius encaixado pelo Mile Svilar, que voltou a atuar na elite quase 18 meses depois e sacudiu para canto as intenções de Zidane Banjaqui aos 33.

O Benfica ainda voltou à carga em remates de Florentino e Pizzi, aos 36 e 39 minutos, ambos travados por Sheytanov, mas tremeu à medida que o oponente se foi entrosando, atravessando alguns momentos de aflição aos 44, quando afastou com dificuldade um livre tenso de Reko, e em cima do descanso, num desvio errado de Oumar Diakhité.

O reatamento devolveu dinâmica às ‘águias’ e Carlos Vinícius falhou em posição frontal aos 48, dois minutos antes de Bruno Morais intercetar com a mão um ‘tiro’ de Pizzi na grande área, levando o árbitro António Nobre a assinalar um penálti, com o médio a faturar.

Suportado por algumas centenas de adeptos em vigília nas imediações do recinto, onde a SAD não esteve representada, os avenses perderam fulgor com o avanço do relógio e as expectáveis 10 substituições, tirando uma tentativa de longe de Banjaqui aos 68, antecedida por uma defesa vistosa de Sheytanov ao remate em rotação de Vinícius.

Pizzi desperdiçou um golo ‘cantado’ aos 71 e rendeu aos 87 o jovem Gonçalo Ramos, que se mostrou lesto a desviar de calcanhar um livre de Nuno Tavares e abrilhantou a estreia pela equipa principal do Benfica com novos festejos no terceiro minuto de descontos, aproveitando o passe de Dyego Sousa para bater o guardião búlgaro.

(Notícia atualizada às 00:16)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.