“O julgamento, iniciado em 08 de junho de 2020, pela manhã, foi levado a cabo por videoconferência, com os participantes em Lausana e em Londres, e com a recolha de depoimentos em vários países, como tinha sido acordado. No final da sessão de hoje [a terceira seguida], ambas as partes [City e UEFA] expressaram a satisfação com a forma como decorreu o procedimento”, destacou em comunicado o Tribunal Arbitral de Desporto (TAS, na sigla inglesa).

O City, que recorreu da sanção imposta pela UEFA, foi condenado por ter cometido infrações graves aos regulamentos da entidade que rege o futebol europeu no que toca às regras do ‘fair play’ financeiro, por ter empolado os benefícios que recebeu dos patrocinadores nas informações que passou à UEFA, entre 2012 e 2016.

Em consequência, a UEFA sancionou o clube inglês, onde atuam os internacionais portugueses Bernardo Silva e João Cancelo, a dois anos de suspensão das competições europeias, bem como ao pagamento de uma multa de 30 milhões de euros.

A entidade liderada pelo esloveno Aleksander Ceferin também acusou o City de não colaborar na investigação do caso, iniciada em março de 2019, altura em que o clube garantiu que as acusações de irregularidades eram totalmente falsas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.