Questionado, em conferência de imprensa, sobre o que é preciso fazer para mudar o futebol português, o técnico defendeu que todos os agentes do futebol têm de melhorar, incluindo os treinadores, mas virou também o foco para a contestação às equipas de arbitragem.

“Os árbitros têm de ter mais autoridade no jogo”, atirou Jesus, antes de concluir que “eles têm autoridade, mas têm de assumir-se mais” para controlarem as incidências da partida.

Ato contínuo, o técnico lembrou que no passado, no banco, “só o treinador é que podia falar”, enquanto hoje “toda a gente tem opinião e acha que deve interferir”, o mesmo que acontece no jogo, onde “só o capitão se podia dirigir ao árbitro e hoje todos os jogadores” o fazem.

“Ou seja, o árbitro, hoje, não tem autoridade nenhuma, porque não quer. Porque ele tem autoridade, mas não se quer assumir. Tem de se assumir, tem de se fazer uma reciclagem com quem de direito na arbitragem para dizer: vocês têm autoridade para impor as regras do jogo. E quem não quer, vai para a rua. Tão fácil como isto”, atirou.

O discurso de Jorge Jesus acontecia, também, no seguimento do seu comentário aos acontecimentos de domingo, após o encontro entre Moreirense e FC Porto, onde o técnico defendeu que “treinadores, árbitros e jogadores” têm de “olhar para o produto” que é o futebol e começar a pensar que este “é muito mais importante do que os interesses individuais”.

“E todos temos de abraçar essa causa, senão andamos sempre com estas situações que acontecem no futebol português. E eu, particularmente, gostava de contribuir para que isso não acontecesse”, frisou.

Mais tarde, em resposta a outra pergunta, o técnico voltaria ao tema para defender que é preciso “melhorar o produto, que é o futebol”, considerando que “é tão bem jogado em Portugal”, onde há “dos melhores jogadores e treinadores do mundo”.

“Estas situações fazem-me um bocadinho lembrar antigamente, quando víamos aqueles jogos do futebol sul-americano que acabava tudo à porrada e isso já não existe. E nós temos de começar a pensar e a caminhar todos com uma ideia em defesa do futebol, porque no fundo é isto que nos alimenta e faz com que cada um tenha a sua atividade profissional”, concluiu.

Depois, e após insistência do técnico, o encontro com o Tondela passou a dominar a conferência de imprensa, na qual Jesus revelou que ainda não poderá contar com os lesionados Taarabt e Jardel, além do castigado Otamendi.

No entanto, o técnico sugeriu que pode voltar a utilizar um esquema tático com três defesas centrais, uma vez que tem “toda a confiança para lançar no jogo” Morato, defesa central que trabalha diariamente às suas ordens, mas tem alinhado pela equipa B, na II Liga.

O Benfica visita na sexta-feira o Tondela, em partida da 30.ª jornada da I Liga com início marcado para as 19:00, onde vai tentar vencer para colocar ‘pressão’ sobre o FC Porto, segundo classificado, que só entra em campo, frente ao Famalicão, às 21:15.

Os ‘encarnados’ seguem a quatro pontos dos ‘dragões’, quando faltam disputar cinco encontros, mas Jesus frisou que a sua equipa ainda acredita que tem “todas as possibilidades de recuperar”, apesar de reconhecer que “não tem mais crédito” e que, por isso, “com o Tondela, só os três pontos interessam”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.