Os golos de Davidson, aos 30 minutos, de Pepê, aos 50, e de Joseph, aos 80, materializaram um domínio total da equipa portuguesa em Riga, comprovado pelos 23 remates (11 à baliza) e apenas interrompido por uma mão cheia de disparos perigosos da equipa letã (fez 14, no total).

Apesar de ter ainda de receber o Ventspils na segunda mão, em Guimarães, na quarta-feira, a equipa treinada por Ivo Vieira deixou aberta a porta para o ‘play-off’, a última etapa antes da desejada fase de grupos, podendo enfrentar Steaua de Bucareste (Roménia) ou Mladá Boleslav (República Checa).

Depois de três triunfos em outros tantos jogos oficiais, o Vitória quis ganhar a batalha do meio-campo bem cedo para jogar em zonas adiantadas do terreno, mas o Ventspils, muito graças à velocidade de Tosin Aiyegun, na ala direita, conseguiu escapar à pressão nos primeiros 10 minutos e ameaçou o golo num livre de Kazacoks, aos sete.

Com Pepê e Al Musrati precisos no passe, a equipa portuguesa começou a instalar-se no meio-campo letão e a aproximar-se do golo, com Rochinha e Davidson especialmente desequilibradores nas faixas.

Alexandre Guedes rematou à barra aos 17 minutos, após passe de Rochinha, e Pepê quase inaugurou o marcador pouco depois, num remate em arco, ao lado (19), e num outro defendido por Vjaceslavs Kudrjavcevs (20).

Nessa fase, a equipa anfitriã já só chegava à baliza de Miguel Silva em remates de longe, e o golo vitoriano surgiu com naturalidade, num cabeceamento de cima para baixo de Davidson, indefensável, após livre de Rochinha.

Desfeito o ‘nulo’, a turma de Guimarães continuou adiantada em busca do segundo golo, que esteve perto de acontecer em tentativas de Rochinha e de Davidson, mas o Ventspils aproveitou melhor o espaço concedido pela equipa lusa no final da primeira parte, tendo ameaçado o golo por Tosin Aiyegun, aos 44 minutos.

A segunda metade abriu praticamente com o segundo golo português, num remate forte de Pepê, ainda fora da área, e a equipa letã tentou nova reação, tendo aproveitado alguma desconcentração defensiva do Vitória para acertar na barra, num ‘tiro’ de Ulimbasevs (55 minutos), e para obrigar Miguel Silva a uma defesa difícil, num remate de Osipov (69).

A formação minhota retomou o controlo total da partida nos 20 minutos finais, ampliou o resultado, por Joseph, num remate a concluir uma jogada de insistência ofensiva, e ‘cheirou’ a goleada em remates de Al Musrati e do recém-entrado João Carlos Teixeira.

Os vimaranenses somaram um inédito terceiro triunfo consecutivo em provas europeias e, na antecâmara da jornada inaugural da I Liga, no domingo, frente ao Rio Ave, têm um registo de nove golos marcados e nenhum sofrido, em quatro partidas oficiais.

(Notícia atualizada às 20.42)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.