Os onze jogadores escolhidos para o onze inicial pelo selecionador do Irão, o português Carlos Queiroz, entre os quais o avançado do FC Porto Taremi, mantiveram-se impassíveis no relvado do estádio Khalifa, em Doha, sem proferir uma palavra, enquanto era tocado o hino do país.

O capitão da equipa iraniana, o avançado Alireza Jahanbakhsh, tinha revelado que os jogadores da seleção tomariam uma “decisão coletiva” sobre a possibilidade de não entoarem a letra do hino no jogo de estreia no Mundial2022, como forma de apoio às vítimas das manifestações contra o governo daquele país do Médio Oriente.

Os jogadores iranianos já tinham tomado idêntica posição em 27 de setembro, durante um jogo de preparação para o torneio, realizado na Áustria, perante o Senegal (1-1), tendo, inclusive, envergado roupa sem qualquer referência aos símbolos do Irão.

A indignação no Irão pela morte, em 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma curda iraniana de 22 anos, provocou a maior onda de protestos contra o Governo desde 2019, então contra o aumento dos preços da gasolina, num país rico em petróleo.

Masha Amini foi detida em 13 de setembro pela chamada polícia da moralidade em Teerão, por ter, alegadamente, infringido o rígido código de vestuário para as mulheres da República Islâmica, em particular o uso do véu.

Os futebolistas da seleção inglesa também expressaram a sua oposição ao racismo antes do início do encontro, colocando um joelho sobre o relvado.

Harry Kane, capitão dos ingleses, usou também a braçadeira de capitão de 'não à discriminação' da FIFA, aprovada pelo organismo, depois de o mesmo ter ameaçado com sanções desportivas - um cartão amarelo - os capitães que usassem a braçadeira com a inscrição ‘One Love’ (um amor), em alusão à igualdade, símbolo que as seleções de Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Países Baixos e Suíça pretendiam usar, mas que se viram obrigadas a recuar.

A Inglaterra goleou o Irão, orientado pelo treinador português Carlos Queiroz, por 6-2, em encontro da primeira jornada do Grupo A do Mundial de futebol de 2022, disputado no Estádio Internacional Khalifa, em Doha.

Jude Bellingham, aos 35 minutos, Bukayo Saka, aos 43 e 62, Raheem Sterling, aos 45+1, Marcus Rashford, aos 71, e Jack Grealish, aos 90, marcaram os golos dos ‘três leões’, enquanto o portista Mehdi Taremi faturou para os asiáticos, aos 65 e 90+13, o segundo de grande penalidade.

O segundo encontro da jornada inaugural do Grupo A realiza-se ainda hoje, entre os Estados Unidos e o País de Gales, com início às 19:00 (em Lisboa).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.