Quarto lugar na Premier League, a pelo menos sete pontos de distância do Manchester City, que tem ainda um jogo a menos. Eliminados na quarta ronda da FA Cup, no passado dia 24 de janeiro, às mãos do Manchester United de Bruno Fernandes. Já fora da Carabao Cup, afastados nas grandes penalidades pelo Arsenal nos oitavos de final da prova. Na Liga dos Campeões, o Liverpool passou o seu grupo na frente, defrontando em breve um RB Leipzig em grande forma e que colocará muitas dificuldades, caso os Reds não voltem à forma a que nos habituaram.

Por falar em dificuldades, os próximos quatro jogos do Liverpool terão como opositores o Manchester City em casa, o Leicester City fora, o RB Leipzig fora e os eternos rivais Everton em casa. Um mês de fevereiro que poderá recuperar ou quebrar, de vez, o Liverpool 2020/21.

Mas, então, o que levou a que esta época se pudesse tornar desastrosa, tendo em conta as expectativas que todos tínhamos do campeão inglês no começo da temporada? Mais, que lesões terão contribuído para o desaire?

As lesões

Virgil van Dijk

Sem data de regresso, o central holandês, após lesão no joelho, ficará de fora do que resta da temporada ou, caso volte, será apenas no final da mesma.

Joe Gomez

Lesionando-se num treino da seleção, Gomez tornou-se no segundo defesa central, após van Dijk, a terminar a época prematuramente.

Diogo Jota

O regresso de Jota era esperado para o meio de fevereiro. Klopp, contudo, reformulou e disse que faltarão ainda duas, três ou quatro semanas para que o internacional português volte. Já não deve faltar muito para vermos o extremo de volta aos relvados e ao onze do Liverpool. 

Naby Keita

O último jogo de Keita foi na convincente vitória por 7-0 frente ao Crystal Palace, a 19 de dezembro de 2020. Desde então o Liverpool tem-lhe dado tempo suficiente para recuperar da lesão muscular que o atormenta, não existindo ainda data de regresso para o senegalês.

Joel Matip

Substituído ao intervalo do jogo frente ao Tottenham a 28 de janeiro, Matip sofreu uma lesão dos ligamentos no tornozelo e foi dado como indisponível até ao final da temporada. O terceiro (!) central a colocar um ponto final na temporada 2020/21.

Fabinho

Falhou os últimos três jogos da equipa. Espera-se que possa voltar frente ao Manchester City.

Mané

Com uma lesão ligeira, segundo o Liverpool, Mané falhou os encontros com o West Ham e Brighton. As possibilidades de voltar para defrontar o City são incertas.

Alisson

Segundo Klopp, Alisson falhou o jogo com o Brighton por doença, que não a covid-19, e ainda permanece incerto se o guarda-redes brasileiro estará, ou não, disponível para o jogo deste fim-de-semana frente ao City.

Mas poderão as lesões explicar tudo? Não me parece. A quantidade de lesões numa posição específica no terreno não ajuda, claro. O facto de Virgil van Dijk ser o pilar da equipa ainda menos. Contudo, e já tive aqui oportunidade de o dizer, o Liverpool, neste caso Klopp, tem falhado de forma redonda, nomeadamente na gestão que tem feito dos jogadores à sua disposição.

Conhecendo bem este Liverpool, afirmo sem receio que o "remendar buracos" tem sido o grande problema da equipa e o que poderá ter colocado em causa a reconquista da Premier League. Vejamos porquê.

Opções de transferências

Quem contratou o Liverpool no mercado de transferências de início de época? A única posição que necessitava verdadeiramente de uma solução mais fiável, se o objetivo fosse melhorar a equipa, por si só já ela tremendamente forte, era a posição de central ocupada por Joe Gomez. Não tendo exibições terríveis era, no final da temporada passada, o elo mais fraco do campeão inglês. Klopp e o Liverpool decidiram, e bem, por adicionar Diogo Jota às opções ofensivas e, também de forma correta, Thiago Alcântara, que traria mais opções ao meio campo, principalmente em jogos frente a equipas mais fechadas.

Só faltou mesmo uma solução mais sólida para o centro da defesa. Só que desta forma, ao ignorar o problema, este continuou. Só no final da janela de transferências de janeiro, com mais uma lesão, agora de Matip, é que o Liverpool resolveu ir ao mercado em busca de defesas centrais.

Entram assim na equipa Ben Davies, proveniente do Preston North End, que custa ao Liverpool uma quantia de 500 mil libras [571 mil euros], que poderão chagar ao milhão de libras [1,1 milhões de euros] no futuro. Com ele, chega outro central, desta feita da Alemanha. Ozan Kabak é jogador do Schalke 04 e chega por empréstimo à equipa de Klopp. Com um preço de mercado de 22.5 milhões de libras [23 milhões de euros], o empréstimo até ao final da temporada poderá, ou não, terminar numa transferência em definitivo do defesa central de 20 anos para os Reds.

Sábado, 6 de fevereiro

12:30 | Aston Villa v Arsenal

15:00 | Burnley v Brighton

15:00 | Newcastle v Southampton

17:30 | Fulham v West Ham

20:00 | Man Utd v Everton

Domingo, 7 de fevereiro

12:00 | Spurs v WBA

14:00 | Wolves v Leicester

16:30 | Liverpool v Man City

19:15 | Sheffield Utd v Chelsea

Opções técnicas e táticas

Estará Klopp a ter uma época menos positiva quanto às suas opções técnicas e táticas? Terá Klopp sido arrogante quando não contratou um central no verão, ou quando deixou passar todo o mês de janeiro antes de ativar essas mesmas compras? Recordo que desde 19 de dezembro, quando o Liverpool estava ainda em primeiro lugar e tinha acabado de golear o Crystal Palace por sete bolas a zero, que o Liverpool tem apenas 2 vitórias em 8 jogos. Com um total de 4 derrotas e apenas 7 golos marcados e 6 sofridos.

É de destacar os cinco jogos em que o Liverpool não conseguiu, em noventa minutos, abrir sequer o marcador acabando o jogo em branco. A sucessão de desaires levou a que, agora, a equipa fosse ao mercado e percebesse o que de facto de passa de errado com a equipa — uma dúvida que só poderemos tirar olhando aos onzes de Klopp no futuro próximo.

Este é um problema para o qual chamei à atenção no início de época, assim que van Dijk se lesionou e Klopp testou Fabinho a defesa central. Disse na altura que a opção poderia ser boa, mas que não se poderia descurar da grande vantagem que o Liverpool tem tido sobre todas as outras formações inglesas. Um meio campo poderosíssimo que Klopp tem vindo, há que dizer, a destruir nos últimos meses.

Nas últimas duas temporadas, os cinco jogadores que faziam a rotação no meio campo a três do Liverpool, salvo raríssimas excepções, eram Henderson, Wijnaldum, Keita, Fabinho e James Milner. Com o remendar da manta, Henderson e Fabinho têm passado mais tempo no centro da defesa do que propriamente no meio campo do Liverpool.

O grande motor da equipa, aquele que pressionava e que assim permitia as oportunidades acontecerem, deixou de existir. 

A solução teria obrigatoriamente que ter passado por apostar e confiar em jogadores jovens e disponíveis para a posição de defesa central e colocar nos ombros do meio campo a responsabilidade de fazer com que a bola passasse o mínimo de tempo possível perto da sua defesa. Erros iriam ser cometidos e os jovens teriam que ser lançados à pressa, mas as partes integrais da equipa que tanta dor impôs às defesas adversárias, não seriam ’vendidas' às peças.

O libertar de jogadores influentes do meio campo para a defesa deixa de fazer sentido quando a defesa, como já tive a oportunidade de escrever em relação ao Tottenham, se torna menos importante quando o meio campo é superior ao meio campo adversário. Já não se vêem muitas equipas a ultrapassar as dificuldades do meio campo com uma bola longa, diretamente para os seus avançados. Logo, se essa nem é uma barreira que as equipas com este problema que o Liverpool enfrenta — poder jogar com jogadores menos experientes no eixo da defesa — teria que enfrentar.

As equipas hoje estão mais refinadas, apostam em jogadores mais técnicos e têm como normal tentar jogar. Mantendo o controlo do jogo através dos seis homens da frente, meio campo e ataque, e preocupando-se menos com a falta de experiência na retaguarda, o Liverpool poderia ter evitado muitos dos problemas que agora enfrenta.

Terá o Liverpool sido arrogante?

Penso que sim, principalmente se olharmos à concorrência e aquela que parecia uma época de 'passeio' para o Liverpool. Ao ver o Manchester City a patinar nas primeiras doze jornadas Klopp poderá ter pensado que não seria difícil manter o controlo da situação. Se olharmos para os planos do Liverpool, em pleno Natal, quando não tinha em vista nenhuma contratação, de forma a colmatar os dois centrais titulares que tinha perdido, penso que a única conclusão a retirar é a de que o Liverpool poderá mesmo ter sido arrogante, pensando que poderia vencer a Premier League recorrendo, de forma constante, a remendos no seu onze titular, não se percebendo do verdadeiro arrombo que estava a causar na sua estrutura.

O Liverpool poderá não estar arredado da luta pelo título, mas para que não seja afastado de vez da revalidação da Premier League terá que voltar à receita antiga de meio campo. Terá que confiar em quem assuma as posições de defesas centrais e pensar, terá que dominar o meio campo como sempre dominou, terá que recuperar mais bolas, criando assim mais oportunidades para o trio da frente. A defesa do Liverpool e a sua consistência sempre vieram da sua intensidade e capacidade de controlar e marcar, nunca do seu receio em sofrer golos. Só assim Klopp e a sua equipa poderão ter alguma chance dezasseis jornadas que faltam jogar.

Esta semana na Premier League

Obviamente que o destaque vai inteirinho para o jogo entre Liverpool e Manchester City. Se do Liverpool já está praticamente tudo dito, em relação ao City só haverá uma estatística a apresentar: a equipa de Guardiola leva 13 jogos consecutivos a vencer, 33 golos marcados e apenas 3 sofridos. O espírito de equipa foi renovado, a entrega dos jogadores é total e, com toda a certeza, a equipa só pensa num só objetivo, que passa por resgatar o título de campeão perdido na temporada passada para o adversário de domingo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.