Na resolução, os eurodeputados denunciavam a corrupção “desenfreada” da FIFA (Federação Internacional de Futebol) e exigiam que as autoridades do Qatar, entre outras coisas, estendessem o fundo de compensação às famílias dos operários que morreram durante a construção dos estádios para a competição futebolística.

“O Qatar é um país independente que não aceitará ordens de outros nem lições de moral de ninguém”, advertiu o Conselho da Shura do Qatar, um dos órgãos consultivos mais importantes do país, dando voz ao aparente mal-estar dentro do regime qatari causado pela onda de críticas de que foi alvo nas últimas semanas.

O Conselho denunciou uma “conspiração sistemática” contra o Qatar, que estaria a ser vítima de “hipocrisia, duplicidade de critérios e racismo” por ser o primeiro país árabe a acolher um Mundial. Segundo este órgão, textos como o do PE “incentivam o ódio entre Oriente e Ocidente”, noticiou a agência oficial QNA.

Também se congratulou com a alegada integração laboral das mulheres, assegurando que representam mais de 40% da população ativa e que, ao contrário do que acontece no Ocidente, “o Qatar nunca teve desigualdade salarial” por razões de género.

O Conselho da Shura do Qatar advertiu ainda de que o país não tolerará ingerências ou ordens que queiram “alterar os arreigados valores morais” da população local, que recebeu com “entusiasmo e amizade” os milhares de pessoas que se deslocaram de outros países.

Na resolução aprovada no plenário em Estrasburgo (França), na passada quinta-feira, o PE reconheceu que o Qatar atribuiu 320 milhões de dólares (mais de 307 milhões de euros, ao câmbio atual) às vítimas de abusos salariais, através do chamado “Fundo de Apoio e Seguro dos Trabalhadores”.

No entanto, muitos trabalhadores e as suas famílias foram excluídos da aplicação do fundo, pelo que os eurodeputados defenderam o seu alargamento a todos os afetados desde o início dos trabalhos relacionados com o Qatar2022.

Segundo o PE, a força laboral estrangeira no Qatar é de mais de dois milhões de pessoas, que representam cerca de 94 por cento da mão-de-obra do país.

Os eurodeputados pediram ao Qatar para realizar “investigações exaustivas às mortes dos trabalhadores migrantes”, ao mesmo tempo que reconheceram os esforços do país para “melhorar as condições e direitos laborais dos trabalhadores migrantes”.

O PE assinalou ainda que o Qatar ganhou a corrida à organização do campeonato mundial “no meio de alegações credíveis de suborno e corrupção”.

A FIFA “prejudicou gravemente a imagem e a integridade do futebol a nível mundial”, consideraram os eurodeputados na resolução, em que apelaram para reformas no organismo internacional.

Os eurodeputados defenderam também a “implementação rigorosa de critérios de direitos humanos e sustentabilidade para os países de acolhimento” dos torneios.

O PE defendeu também que os eventos desportivos internacionais “não devem ser concedidos a países onde os direitos fundamentais e humanos são violados e onde a violência sistemática de género prevalece”.

O alargamento deve também abranger a morte de trabalhadores e outras violações dos direitos humanos, segundo a resolução.

Os eurodeputados apelaram igualmente para que a FIFA contribua para um programa de ajuda às famílias dos trabalhadores, compensando-as pelas “condições a que foram sujeitos”.

Na resolução, os eurodeputados lamentaram ainda os abusos perpetrados pelas autoridades do Qatar sobre a comunidade LGBTQ+.

Esses abusos incluem o recurso a legislação que permite a detenção provisória de pessoas LGBTQ+ “sem acusação ou julgamento por um período máximo de seis meses”, denunciaram

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.