“O atleta, apesar do nascimento dos filhos, fez questão de ficar ao serviço da seleção nacional, num gesto que devemos sublinhar e enaltecer. O presidente da FPF e o selecionador nacional entendem que, na impossibilidade de chegar ao objetivo de vencer a Taça das Confederações, devem libertar o atleta para que este possa, finalmente, ir conhecer os seus filhos”, lê-se num comunicado do organismo.

Na sua página oficial da rede social Facebook, o avançado do Real Madrid mostrou-se sensibilizado com a atitude da FPF, depois de ter estado de “corpo e alma” na seleção.

“Estive ao serviço da seleção nacional, como sempre acontece, de corpo e alma, mesmo sabendo que os meus dois filhos tinham nascido. Infelizmente, não conseguimos alcançar o principal objetivo desportivo que pretendíamos, mas estou certo que vamos continuar a dar alegria aos portugueses”, escreveu Ronaldo.

A dispensa de Cristiano Ronaldo acontece poucas horas depois de Portugal ter falhado a presença na final da Taça das Confederações, ao perder com o Chile no desempate por grandes penalidades (3-0), após o nulo que registou no tempo regulamentar e no prolongamento, em Kazan.

Com esta decisão, o capitão da seleção nacional já não viaja hoje com o resto da comitiva para Moscovo, onde a formação lusa vai disputar no domingo o jogo de atribuição do terceiro e quarto lugares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.