Pedro Gonçalves, aos 31 minutos (de penálti) e 38, e Paulinho, aos 41, levaram os ‘leões’ com uma vantagem muito confortável para o intervalo, tendo Sarabia, na segunda parte, concluído o categórico triunfo, aos 56, perante um Besiktas fraco e desorganizado, mas o mérito pertence a 100% à equipa liderada por Rúben Amorim.

Depois de ter estado a perder, o Ajax conseguiu a segunda vitória em dois encontros com o Borussia Dortmund (3-1), deixando o Sporting com os mesmos seis pontos dos alemães, antes de um duelo decisivo na próxima ronda. Por seu lado, o Besiktas segue sem pontuar no Grupo C, que é liderado pelos neerlandeses, apurados com 12 pontos.

Desde muito cedo que os ‘leões’ demonstraram uma elevada superioridade perante o Besiktas e Paulinho, por duas vezes, apenas por muito pouco não traduziu essa diferença no resultado, em duas flagrantes oportunidades nos primeiros minutos.

Em ambas assistido com dois grandes passes de Sarabia, o avançado internacional luso começou por acertar com estrondo nos ferros, aos oito, e, dois minutos volvidos, viu o guarda-redes Ersin Destanoglu impedir com os pés, ‘in extremis’, o tento ao dianteiro.

Os turcos foram incapazes de apresentar argumentos para contrariar os constantes ataques perigosos da turma de Rúben Amorim, que sofreu uma contrariedade aos 17, quando Pedro Porro se lesionou e teve de ceder o lugar a Ricardo Esgaio, numa altura em que o Besiktas lá conseguiu, com raridade, desenvencilhar-se da pressão ‘leonina’.

Sem nunca incomodar Adán, os canadianos Larin (14) e Hutchinson (27 e 41) foram as principais figuras atacantes do lado dos campeões turcos, com o primeiro a ameaçar também num remate cruzado (28), mas a bola acabou por se perder até à linha lateral.

Uma grande penalidade a favor do Sporting, aos 31, ‘deu corpo’ à superior qualidade, a castigar uma carga de Ridvan Yilmaz sobre Pedro Gonçalves, que atirou para o lado contrário de Ersin Destanoglu, no regresso do jovem ‘goleador’ aos golos, após lesão.

Com Pedro Gonçalves, como desde o ano passado tem habituado, um golo nunca vem só, e o ‘bis’ chegou no espaço de sete minutos, graças às facilidades concedidas pelo Besiktas na defesa, o que permitiu ao artilheiro armar, com muito espaço, o remate.

Depois dos dois ‘falhanços’ iniciais, Paulinho conseguiu finalmente reencontrar-se com os golos aos 41 minutos, num remate rasteiro e colocado, de fora da área e em zona frontal, muito festejado por todos os jogadores e adeptos nas bancadas, cientes da importância do golo para o avançado, que viria a sair aos 60 debaixo de forte ovação.

Com o resultado seguríssimo, o Sporting partiu para a segunda parte mantendo o total domínio e controlo sobre a partida e, já depois de um disparo de Matheus Nunes para defesa apertada de Ersin Destanoglu, aos 55, os lisboetas apontaram o quarto tento.

Iniciado numa incursão de Matheus Reis pelo flanco esquerdo, Sarabia resgatou uma bola vinda de um corte defeituoso de um defesa contrário, na tentativa de intercetar o cruzamento rasteiro do brasileiro, e, de baliza aberta, atirou sem qualquer oposição.

O trabalho dos ‘leões’ estava concluído com sucesso e as atenções concentraram-se em Dortmund, onde os astros também se alinharam a favor dos portugueses e o Ajax operou a reviravolta (3-1), com golos bastante festejados no Estádio José Alvalade.

Até ao final da partida, Nuno Santos atirou em jeito contra a malha lateral (85) e Daniel Bragança ameaçou o quinto golo por duas vezes, aos 77, a milímetros do poste, e aos 84, para defesa do guarda-redes turco, que viu o colega Souza expulso em cima dos 90.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.