"É justo dizer que nos próximos três anos o nosso objetivo será reduzir o número atual de funcionários de 235.000 para algo mais próximo de 200.000", afirmou Noel Quinn numa entrevista à agência Bloomberg News.

Nesta terça-feira, o HSBC anunciou uma queda de 53% no seu lucro líquido de 2019, com resultados em algumas atividades considerados "inaceitáveis", assumiu Noel Quinn.

"O desempenho do grupo em 2019 resistiu bem, mas alguns departamentos não estão a produzir rendimentos aceitáveis", disse o CEO interino.

O plano de cortes pretende reduzir em particular as operações nos Estados Unidos e na Europa.

O HSBC enfrenta muitas incertezas, provocadas pela guerra comercial entre Estados Unidos e a China, a saída do Reino Unido da União Europeia e agora o novo coronavírus na China.

As atividades do grupo registaram bons resultados na Ásia nos últimos anos, lideradas principalmente pela China, mas Europa e Estados Unidos apresentam números dececionantes.

Quinn, CEO interino do HSBC desde a saída de John Flint em agosto, assumiu a tarefa de remodelar de modo profundo o grupo.

"Começámos a aplicar o plano e minha equipa e eu estamos dispostos a executá-lo", disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.