“Na Europa, os balanços bancários continuaram atolados em crédito malparado em 2016, mantendo os custos de risco elevados”, refere o estudo ‘Global Risk 2018: Future-Proofing the Bank Risk Agenda’, hoje divulgado.

Para Grasshoff, um dos autores do estudo, seria benéfico para resolver o problema do malparado “padronizar o tratamento legal do crédito malparado nas várias jurisdições da Europa”.

Já na América do Norte, por oposição, o BCG diz que os bancos continuam rentáveis, ainda que em 2016 tenham interrompido anos de recuperação.

A análise à rentabilidade do setor bancário é feita tendo em conta o lucro ajustado pelos custos do risco, que o BCG denomina de lucro comercial.

A nível mundial, o BCG diz que o lucro comercial do setor bancário diminuiu em 2016, depois de cinco anos positivos.

O estudo destaca ainda a crescente regulamentação em torno do negócio bancário, estimando que, por dia, os bancos têm de lidar com 200 alterações regulamentares, o triplo das de 2011.

“O volume global de revisões regulamentares que os Diretores de Risco devem monitorizar e implementar aumentou para uma média de 200 por dia, um nível que permaneceu estável nos últimos dois anos mas que representa o triplo do nível de 2011″, segundo a informação hoje divulgada.

Ainda segundo o BCG, a criação de valor dos bancos diminuiu a nível mundial devido à regulamentação, aos crescentes riscos, aos custos das atividades de ‘compliance’ e ainda às multas com que muitos foram admoestados.

Desde 2009 e até final de 2017, as penalizações por não cumprimento de regras atingiram os 345 mil milhões de dólares (cerca de 278 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.