“Sinceramente, acho que, para algumas pessoas, a ideia de [criar] títulos [‘bonds’] se tornou tóxica desde a crise do euro”, considerou na entrevista, defendendo que os países “não se devem agarrar a conceitos que geram divergências”.

Para o comissário, é melhor optar por outras ferramentas.

“Temos de encontrar instrumentos comuns que fortaleçam a resistência dos Estados-membros nas áreas social e económica”, acrescentou.

Na segunda-feira passada, a Comissão Europeia admitiu que a emissão de títulos de dívida conjunta (‘eurobonds’, chamados atualmente de ‘coronabonds’ por visarem a crise provocada pelo coronavírus) é “uma opção em cima da mesa no quadro da resposta europeia aos choques provocados na economia pela pandemia de covid-19.

No entanto, na sexta-feira, o vice-presidente do executivo comunitário para a Economia, Valdis Dombrovskis, manifestou preferência pelo crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

De acordo com Valdis Dombrovskis, certo é o apoio do executivo comunitário às linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgate permanente da zona euro, que tem uma capacidade de empréstimo de até 410 mil milhões de euros e que pode conceder créditos até 2% do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país comunitário afetado pela covid-19.

“Continuamos a trabalhar no apoio [a uma solução] por meio do MEE. Acreditamos que esse mecanismo deveria ser usado nas circunstâncias atuais porque possui o capital desembolsado pelos Estados-membros e capacidade de empréstimo”, referiu o comissário europeu.

“E, portanto, devemos usá-lo para financiar os Estados-membros em condições favoráveis”, insistiu o político letão.

Na entrevista de hoje à “Der Spiegel”, Hahn também defendeu que os Estados do norte da Europa não devem tratar a ajuda a países como a Itália como “esmolas”.

“São esses países que tiram vantagem do mercado único. Quando ajudam países como a Itália, não estão a dar uma esmola. Pelo contrário. Estão a trabalhar para o seu próprio interesse”, sublinhou.

O comissário do Orçamento disse ainda acreditar que a proposta da presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, de criar um fundo para apoiar a redução das jornadas laborais diárias em toda a Europa será um teste de solidariedade na UE, já que fará aumentar claramente o orçamento europeu”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.