Em comunicado, a Embraer justificou o resultado informando que historicamente realiza menos entregas no primeiro trimestre do ano e alegou que as suas operações neste período em 2020 “foram também impactadas negativamente pela conclusão do processo de separação da unidade da Aviação Comercial da Embraer, em janeiro”.

A fabricante brasileira informou que até 31 de março de 2020 a sua carteira de pedidos firmes totalizava 15,9 mil milhões de dólares (14,6 mil milhões de euros).

A operação da Embraer deverá ser duramente impactada pelo cancelamento, em abril, de um acordo sobre a criação de uma joint venture que incluía a venda de sua divisão de aviões comerciais para a fabricante norte-americana Boeing.

Também foi cancelado um acordo entre a Embraer e a Boeing sobre a promoção e comercialização do avião militar C-390 Millenium.

A Embraer estima que a desistência da Boeing na parceria gerou gastos de 485 milhões de reais (77,5 milhões de euros) e já anunciou que iniciou os procedimentos arbitrais acerca da rescisão do acordo para sanar este prejuízo.

A Embraer é fabricante e líder mundial de aeronaves comerciais com até 150 assentos e tem mais de 100 clientes em todo o mundo.

A empresa brasileira mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora, funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, com 65% do capital, em Alverca.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.