Fonte oficial da Galp Energia realçou que, “apesar de considerar positiva a confirmação da maior redução de sempre numa coima aplicada pela AdC, a Galp não se conforma com uma condenação assente em fundamentos meramente formais, pelo que está a analisar as eventuais vias de recurso do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa”.

O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a condenação da Galp Energia por práticas anticoncorrenciais na venda de gás engarrafado, decidida em 2015 pela AdC, mas manteve a redução da coima do Tribunal da Concorrência.

Numa nota à Lusa, fonte oficial da Galp realça que, “apesar dos recursos apresentados pela AdC e pelo Ministério Público, visando que a coima aplicada voltasse ao valor inicial de 9,2 milhões de euros, o entendimento do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão foi agora corroborado pelo Tribunal da Relação, resultando inequívoco que a Galp atuou sem dolo, não tendo adotado qualquer conduta que tenha prejudicado o consumidor ou o livre funcionamento do mercado”.

O motivo da condenação da AdC foi a proibição da Galp aos seus distribuidores de primeira linha de gás engarrafado sobre a venda espontânea (passiva) a revendedores ou consumidores fora do território que lhes está atribuído, impedindo-os, assim, de concorrer com outros distribuidores de territórios vizinhos ou próximos.

A AdC considerou que a restrição concorrencial da Galp podia prejudicar os consumidores com preços mais elevados, num mercado onde mais de dois milhões de famílias portuguesas compram GPL em garrafa, suportando uma fatura que ronda os 250 euros por ano.

Esta condenação da AdC foi apreciada, em janeiro do ano passado, pelo Tribunal da Concorrência, que reduziu a coima para 4,1 milhões de euros.

Já este ano, respondendo a um recurso da Galp, veio novamente a ser apreciada pelo Tribunal da Relação, que confirmou a decisão da AdC e reiterou o entendimento do Tribunal da Concorrência sobre a “elevada negligência, quase a raiar a negligência grosseira” da empresa.

“Toda a sequência de factos demonstra um nível de descuido, de falta de responsabilidade e de falta de comprometimento com o valor da concorrência muito significativo”, afirma o Tribunal da Relação, citado pela AdC, assinalando também que a prática anticoncorrencial é “ainda mais grave, devido à dimensão” das três sociedades do grupo Galp Energia envolvidas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.