A resolução do Conselho de Ministros que aprova este programa foi publicada no sábado à noite no suplemento do Diário da República e inclui as previsões do Governo para 2020 e 2021, que não tinham sido apresentadas na quinta-feira, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do executivo.

"Em virtude do efeito das medidas de apoio ao emprego adotadas [no âmbito da pandemia da covid-19], estima-se que a redução no emprego seja significativamente inferior à redução do PIB", lê-se nas explicações que acompanham o quadro macroeconómico.

Em 2019, a taxa de desemprego foi de 6,5%, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) citados no documento.

O cenário macroeconómico traçado pelo Governo indica também que a capacidade de financiamento da economia portuguesa deverá permanecer positiva em 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, uma redução de 0,5 pontos percentuais em relação a 2019 (0,8%). No próximo ano, deverá ser de 0,6% do PIB.

A descida é justificada com a "redução esperada no saldo da balança de bens e serviços", segundo o executivo, acrescentando que "a balança de capital deverá continuar a contribuir positivamente para a capacidade de financiamento da economia".

O Governo apresenta na terça-feira a proposta de orçamento suplementar deste ano.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.