O pacote legislativo, que será debatido esta quarta-feira no parlamento e cuja votação está prevista para quinta-feira, inclui um corte nas pensões a partir de 2019 e subidas de impostos a partir de 2020.

Os sindicatos batizaram esta medida de “quarto memorando” por tratarem-se de ajustes adicionais, não previstos no terceiro resgate, que se aplicarão quando terminar o programa atual.

A greve foi apoiada também pelos controladores aéreos que deixarão de trabalhar entre as 11:00 e as 15:00 (entre as 09:00 e as 13:00 de Lisboa), pelo que foram cancelados todos os voos desde e para o aeroporto de Atenas nesse período horário.

Os autocarros e elétricos da região da capital, que já começaram uma série de greves na terça-feira, permaneceram nas garagens durante toda a noite e até às 09:00 (07:00 em Lisboa), voltando a parar a partir das 19:00 (17:00 em Lisboa).

O metro, por seu lado, vai funcionar entre as 09:00 e as 19:00 (entre as 07:00 e 17:00 em Lisboa), enquanto o transporte ferroviário estará completamente paralisado.

Os hospitais vão apenas disponibilizar serviços mínimos, já que os médicos e pessoal hospitalar estão em greve de 48 horas, que se prolonga até quinta-feira.

Também os reformados e setores autónomos, como médicos do privado, engenheiros e advogados uniram-se à mobilização.

Os sindicatos convocaram também manifestações para Atenas e outras cidades de maior dimensão no país.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.