"Não conseguimos identificar um padrão na nossa análise em que se possa dizer que as situações que não estão em linha com o normativo se verificam apenas e só no top 25 [de maiores perdas]", disse a 'partner' da EY Florbela Lima, no parlamento.

A responsável, que está a ser ouvida na comissão de inquérito parlamentar à gestão do banco público, acrescentou que "não é correto" fazer-se a ligação entre as situações de inconformidade com os regulamentos internos da CGD e maiores perdas.

Quando questionada pela deputada do PSD Inês Domingos se face à falta de documentação que justificasse desvios aos regulamentos internos, Florbela Lima disse que se tratava de um "juízo de valor".

Na sua intervenção inicial, a 'partner' da EY responsável pela auditoria disse que a empresa não fazia "juízos de valor", e ainda que não constituía uma "auditoria financeira histórica", e que "não teve como objetivo a atribuição des responsabilidades civis ou criminais".

Segundo a responsável, as conclusões da auditoria "centram-se na tipificação e não conformidade com normas internas" da CGD, e o trabalho da auditoria "incidiu no processo de tomada de decisão", e não "na qualidade das decisões e no impacto económico" das mesmas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.