Em comunicado, a aliança, que integra a Rússia, reiterou que a redução da produção para dois milhões de barris diários, que foi anunciada em 05 de outubro, é uma medida “necessária e correta”, lembrando que esta decisão se prende com “questões de mercado”.

Os ministros com a pasta da Energia dos 23 países que compõem a OPEP+ agendaram também uma conferência para 04 de junho de 2023.

Ainda assim, manifestaram a sua disponibilidade para, se necessário, adotarem “medidas adicionais imediatas”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.