O apoio às sete empresas totaliza 280 mil euros, de um total de 330 mil euros de investimento que será feito na recuperação da capacidade destas firmas, informou o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, que esteve presente hoje na Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos, onde foram entregues os comprovativos do pagamento do adiantamento dos apoios a quatro empresas deste concelho que tiveram prejuízos com o incêndio de junho.

As quatro empresas que hoje receberam o comprovativo de pagamento trabalham na área dos pneus, turismo e construção civil, sendo que vão receber 160 mil euros para um total de investimento de 188 mil euros.

Segundo Nelson de Souza, as sete empresas até agora apoiadas são todas dos três concelhos mais afetados: Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande e Castanheira de Pera.

Durante a sessão na sede do município de Figueiró, o membro do executivo sublinhou que foram contratados peritos em avaliação de incêndios, bem como consultores, para ajudar "as empresas, sobretudo as de menor dimensão, que muitas vezes têm dificuldade em perceber a linguagem".

"Quando as candidaturas são entregues, já são conhecidas pelos técnicos da CCDR [Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional]", destacou Nelson de Souza, salientando que o tempo de decisão "entre entrada da candidatura e o primeiro adiantamento" não tem passado de "uma semana".

Já para as empresas de maior dimensão, é necessário uma "maior atenção", quer por parte dos empresários, quer por parte do Governo e da CCDR.

"Trabalhamos em conjunto e em parceria para lhes prestar assistência técnica", nomeadamente peritos para avaliar "com rigor os prejuízos", esclareceu.

"Brevemente, haveremos de ter tempo para melhor decidir sobre esta matéria", notou.

Durante a sessão em Figueiró dos Vinhos, estiveram também presentes o presidente da Câmara, Jorge Abreu, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.