O aumento da inflação (7% em março) foi impulsionado pelo aumento dos preços dos bens e serviços quotidianos em abril, alimentado pela guerra na Ucrânia, e principalmente por um aumento sem precedentes de 54% no limite máximo dos preços dos produtos energéticos, que entrou em vigor no início do mês.

O economista chefe do ONS, Grant Fitzner, disse que “a inflação subiu acentuadamente em abril, impulsionada por aumentos acentuados dos preços da eletricidade e do gás, desde que o preço máximo mais elevado começou a ser aplicado”.

Este novo limite máximo, que limita o preço máximo por unidade que os fornecedores podem cobrar aos consumidores, entrou em vigor em abril, causando aumentos médios anuais dos preços domésticos de gás e eletricidade de cerca de 2.000 euros.

Depois da divulgação do novo número da inflação, o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, disse aos meios de comunicação social locais que, embora o Governo não possa “proteger completamente” os cidadãos dos problemas globais que contribuíram para a taxa de 9%, está “a prestar um apoio significativo” e “pronto a tomar novas medidas”.

Para conter a inflação crescente, o Banco de Inglaterra aumentou recentemente as taxas de juro no Reino Unido de 0,75% para 1%, o nível mais elevado em 13 anos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.