"A greve foi suspensa porque houve um acordo negociação de aumentos salariais de 10%" disse à Lusa Luis Trindade, da direção do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul.

A greve que foi suspensa, na sequência deste acordo, teria início hoje e estava marcada por tempo indeterminado, com a exigência de "aumentos salariais dignos" a integrar o leque de reivindicações, a par do “pagamento do trabalho suplementar”, “melhores condições de trabalho”, “cumprimento integral do Acordo de Empresa” e “contra o encerramento e restrições dos serviços de cafetaria e bar nos comboios”.

No comunicado em que anunciou a greve, o sindicato referia que "apesar dos problemas reiterados com a concessão do serviço de cafetaria e bar nos comboios de longo curso [Intercidades e Alfa Pendular] ao longo dos anos a CP optou por voltar a concessionar este serviço a privados através de um contrato de milhões assinado em 2023 com a Newrail, recusando internalizar o serviço e integrar os trabalhadores nos seus quadros”.

A estrutura sindical assinala que “em 2024 o contrato com a Newrail foi renovado por um período mínimo de 3 meses e um máximo de 6 meses”, indicando que em 2023 “os valores atribuídos à Newrail tinham como objetivo pagar os salários em atraso aos 130 trabalhadores e normalizar o serviço de cafetaria e bar nos comboios”.

Neste momento está a decorrer um concurso internacional para a concessão da exploração do serviço, mas tal não constituiu "impedimento que se negociassem aumentos" salariais, referiu Luís Trindade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.