A greve, que se vai prolongar até 07 de janeiro de 2023, vai decorrer através de paragens semanais de 24 horas, entre segunda a quinta-feira, para as quais são convocados cerca de 1.600 trabalhadores das empresas Ryanair, Crewlink e Workforce.

A greve dos tripulantes de cabine da Ryanair cancelou 319 voos com origem ou destino em Espanha nos meses de junho e julho e provocou atrasos em 3.700 ligações, segundo os sindicatos que convocaram o protesto.

Segundo os sindicatos, em junho e julho a Ryanair despediu 11 tripulantes de cabine “por exercerem o seu direito à greve”, algo que a empresa nega.

Os representantes dos trabalhadores condenaram também o Ministério do Trabalho espanhol que, nas palavras de um dirigente do sindicato USO, Ernesto Iglesias, “não deu sinais de vida” nas semanas da última greve e não se quis assumir como mediador no conflito.

O mesmo sindicalista, numa declaração enviada na ocasião aos meios de comunicação social, afirmou que a Ryanair usou trabalhadores de bases que tem fora de Espanha para “furar a greve”, em desrespeito pela legislação espanhola, o que foi comunicado à inspeção de trabalho e deverá resultar numa sanção à companhia aérea.

As greves visam “obrigar a Ryanair a cumprir a lei espanhola”, dizem os sindicatos, segundo os quais estão em causa direitos laborais associados a atualizações salariais, férias, folgas e períodos de descanso.

Segundo os sindicatos, há salários na Ryanair que não atingem o salário mínimo espanhol e sublinham que isto mesmo foi confirmado por inspeções das autoridades do trabalho em bases da companhia aérea irlandesa em Espanha.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.