"Agora temos de viver com o covid, por isso vamos adotar uma série de medidas, o que significa o fim da vacinação obrigatória", afirmou o ministro da Saúde, Johannes Rauch, numa conferência de imprensa em Viena.

A estratégia de vacinação "tinha sido posta em prática num contexto diferente", quando as unidades hospitalares estavam sobrelotadas, explicou.

"Mas a variante Ómicron alterou as regras", disse o ministro, adiantando que "mesmo aqueles que tinham concordado em ser vacinados estão agora relutantes em receber uma nova dose".

Segundo Rauch, a lei não é considerada pela comissão de peritos como "medicamente ou constitucionalmente necessária" e criou "uma divisão profunda na sociedade austríaca".

Uma medida sem precedentes na União Europeia (UE), a vacinação obrigatória entrou em vigor na Áustria a 05 de fevereiro e suscitou uma forte oposição de parte da população de nove milhões de habitantes.

As multas para quem não se vacinasse iam dos 600 aos 3.600 euros.

Mas, em março, o Governo decidiu suspender a aplicação da lei, tendo em conta o menor perigo da variante Ómicron.

"Existem atualmente muitos argumentos para dizer que esta violação dos direitos fundamentais não se justifica", defendeu a responsável pela Constituição, Karoline Edtstadler.

Atualmente, cerca de 62% da população austríaca tem um certificado de vacinação válido, percentagem que coloca o país atrás de muitos da Europa Ocidental.

Desde o surgimento do coronavírus SARS-Cov-2 no final de 2019, na China, a Áustria registou mais de 18.700 mortes.

BZF / PAL // PAL

Lusa/Fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.