1. Quando vou dormir, estamos nos 39 quilos de coca num avião da comitiva do presidente. Ao acordar já há novos episódios: 1) governo Bolsonaro ordena a diplomatas que vetem o termo “género” nas resoluções internacionais; 2) relatório da ONU sobre direitos humanos e ambiente lista Bolsonaro no topo dos líderes-fracasso 3) Merkel diz que política ambiental do Brasil é dramática, e quer tratar disso com Bolsonaro no G20 4) Bolsonaro responde que não aceita lições do G20 e pode dar lições de ambiente à Alemanha.

Assim para resumir o que apanhei no telefone enquanto bebia café. Entretanto, entrou esta mensagem: “Epa, isto é terrível mesmo. Os diplomatas do Brasil quase em lágrimas com as instruções que recebem.” Desabafo de uma pessoa amiga, não-brasileira, que trabalha num epicentro da diplomacia internacional.

Tudo na semana em que mais uma vez a justiça (?) brasileira decidiu não soltar Lula, apesar das revelações do “Intercept” — a que agora se aliou a “Folha de S. Paulo” — continuarem a confirmar a que ponto a prisão de Lula é política, Moro é um criminoso, e a eleição de Bolsonaro foi manipulada.

2. O avião (de apoio à viagem presidencial; Bolsonaro seguiu noutro) ia a caminho de Tóquio para a cimeira do G20. Fez escala em Sevilha onde os 39 quilos de coca foram detectados. Quem os levava era um sargento da Força Aérea. Que argumentista inventaria um militar a transportar 39 quilos de coca num avião ligado ao presidente que vai para a cúpula dos líderes mundiais? Este governo é uma mistura de delírio com infâmia e crime, não dá para fechar a boca de espanto. Ao mesmo tempo, Moro não hesitava em tuitar, ufano, sobre a sua reunião anti-droga nos EUA. Rir? Chorar?

E o seu compincha da Educação, também pelo Twitter: “No passado o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?” Sim, Abraham Weintraub, ministro brasileiro da Educação escreveu isto a propósito dos 39 quilos de coca apreendidos. À hora a que escrevo ia a caminho dos 50 mil likes.

Falta um rating da canalhagem governamental mundial, para botar estes espécimes no lixo.

3. Voltando aos episódios seguintes da vergonha Bolsonaro. A nível doméstico, o governo já decretara guerra à “ideologia de género”, como os bolsominions chamam ao facto, académico, científico, largamente aceite em democracia, de género e sexo biológico não serem a mesma coisa. Agora, Brasília ordena aos seus diplomatas que mintam mundo fora: que declarem que género e sexo biológico são o mesmo, que combatam qualquer menção a género, mais, que vetem resoluções com essa palavra. Um retrocesso extremo, a juntar-se a todos os que têm sido encarados pelos diplomatas brasileiros desde que este governo tomou posse, com total desrespeito por tratados internacionais: das alterações climáticas ao porte de armas, da tortura aos direitos das mulheres e LGBT, passando pela política de emigração, com Bolsonaro a privilegiar, unilateralmente, ausência de vistos para cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália. E só não transferiu a embaixada de Telavive para Jerusalém porque os ruralistas o pressionaram, com medo de perderem dinheiro nos negócios com os árabes.

4. Agora à frente do Itamaraty, ou seja das Relações Exteriores, o que o ministro Ernesto Araújo está a promover é “diplomacia teológica”, resume o brasileiro Jamil Chade, correspondente veterano em Genebra. Para entender a dimensão desta cambalhota brasileira nos palcos internacionais, vale a pena ler na íntegra o relato que Chade publicou ontem na “Folha de S. Paulo”: “Num ato que deixou delegações estrangeiras perplexas, diplomatas brasileiros começaram a implementar nesta quinta-feira instruções do Itamaraty de vetar qualquer referência ao termo ‘gênero’ em resoluções da ONU. (…) a nova posição do Brasil abriu um debate inédito com europeus, que insistiram que não iriam retirar o termo ‘gênero’ do texto. A posição do chanceler Ernesto Araújo, ironicamente, foi apoiada por governos como os da Rússia, Paquistão e Arábia Saudita (…). Enquanto o Brasil falava, delegações estrangeiras literalmente abriam a boca de surpresa, se olhavam de forma assustada e combinavam reacções imediatas, enquanto outros suspiravam para lamentar a nova posição nacional. (…) mais de 14 referências ao termo ‘gênero’ foram vetados durante os encontros pelo governo brasileiro até agora. O número deve crescer, já que nem todos os trechos ainda foram alvo de negociações.”

5. Há dez anos, na cimeira dos mais poderosos, Obama disse de Lula: “Esse é o cara.” Agora é Bozo que está no G20. Os relatos das suas primeiras actividades em Osaka são patéticos. Em vez de encontros preparatórios, reuniões, etc, Bolsonaro passeou, tirou fotografias com japoneses e foi a uma churrascaria, com os seus assessores. “Isolado”, escreveram os repórteres. Imagino toda a gente no G20 a fugir dele. Isto, enquanto a economia no Brasil afunda, sem que Bolsonaro aparentemente aproveite a visita para contactos locais. E se o Brasil tem uma importante comunidade de origem japonesa. “As projeções oficias de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) se aproximam cada vez mais da recessão: 0,8% para 2019, de acordo com estimativa do Banco Central”, resumiu a “Folha”.

6. Há o risco de os direitos humanos não sobreviverem, de haver um “apartheid climático” e no topo das lideranças fracassadas estão Bolsonaro, Trump e os chineses, alerta Philip Alston, relator especial da ONU. O relatório será apresentado hoje em Genebra. Por “apartheid climático”, entenda-se uma era em que os ricos pagarão para escapar a calor e fome. E o impacto do aquecimento global, diz Alston, afectará não apenas direitos básicos para centenas de milhões de pessoas como democracia e estado de direito. A crítica deste relator é transversal, passa pelos países, pelas ONG’s e pela ONU, mas à cabeça cita a responsabilidade de Bolsonaro, os seus planos trágicos para a Amazônia, a sua atitude para com as terras indígenas.

7. É isto que parte do mundo ouvirá oficialmente hoje, enquanto as cúpulas dos 20 poderosos estão em Osaka. Angela Merkel já disse que quer ter uma “conversa clara” com Bozo sobre o desamatamento da Amazônia, e criticou a sua política ambiental. Bozo respondeu que não recebe lições do G20, que a Alemanha tem muito a aprender com ele, e abandonou a conferência de imprensa, irritado.

8. A aprovação do governo brasileiro está em 32 por cento. A mais baixa até agora. Mas. Ainda. Trinta e dois por cento. Uma parte disto será irrecuperável, nada a fazer. E a outra parte, de que está à espera para acordar? Nunca antes na história deste país, como diria Lula. E por falar em Lula: se não for libertado, se as revelações do “Intercept” caírem em saco roto, o futuro próximo julgará os envolvidos, em casa e para o mundo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.