Se há Doritos para homens – sim, até agora os Doritos que havia eram para homens – como é que não haveria de haver Doritos para mulheres? Já não era sem tempo. Feministas, progressistas, evangelistas da igualdade de género do 7º dia, “podem soltar os fogos”.

Esta decisão foi tomada com base na seguinte conclusão a que estes senhores chegaram: “vês muitos homens a comer Doritos cheios de prazer, até lambem os dedos no final, e ainda entornam o pacote no fim para a boca para não perderem aquele sabor final das migalhas. As mulheres adoravam poder fazer o mesmo mas não gostam de o fazer em público, muito menos de lamber os dedos”.

Que maravilha.

Precisamos de mais gente brilhante a tomar decisões brilhantes. Precisamos que estas grandes empresas, com grande impacto no mundo, percebam que o caminho para a igualdade de género é precisamente perceber e aceitar que as mulheres, todas elas - enquanto aquilo que a sociedade classifica como género, são seres muito delicados, frágeis e ligeiramente inferiores aos brutos dos homens que fazem imenso barulho a partir Doritos com os dentes. Como é óbvio, é a acentuar e perpetuar os estereótipos mais básicos que vamos conseguir que haja, por exemplo, igualdade de género salarial. No sentido de, como as mulheres são mais frágeis e não partem os Doritos com os dentes da mesma maneira, também é justo que recebam menos que um homem nas mesmas funções laborais. É uma igualdade pela justiça, digamos assim.

Outra coisa muito bem observada nesta conclusão é a sexualidade embutida no acto de comer Doritos. Como é evidente, e até porque todos os homens no mundo são tarados sexuais sem um pingo de decência que lhes percorra o selvagem sangue, uma mulher a chupar os dedos deliciada com o sabor do Doritos vai sempre aparecer imageticamente no cérebro do homem a chupar antes um pénis, embora este também com sabor a Doritos. Logo, claro que não o pode fazer em público. Homem que é homem é tarado, mulher que é mulher não tem desejo sexual. São estes os estereótipos que precisamos de manter e proteger em prol de uma sociedade melhor.

Para toda esta decisão ser ainda melhor, vem acompanhada de um encantador pormenor. As embalagens destes Doritos para mulheres vão ser mais pequenas do que as normais (normais são para homens, bem entendido seja). Para quê? Para caberem nas carteiras das mulheres. Se isto não é pensar a sério na igualdade de género, não sei o que será.

A juntar a isto tudo, temos ainda a BIC que acabou de lançar canetas para mulheres – têm a mesma forma, a mesma tinta e servem para o mesmo, mas são cor-de-rosa.

Resto de bom dia para vocês, e leiam esta crónica às vossas mães, amigas, namoradas e filhas porque, como é expectável das mulheres, não devem saber ler.

Sugestões mais ou menos culturais que, no caso de não valerem a pena, vos permitem vir insultar-me e cobrar-me uma jola:

- Zarco del Mar: Uma banda de putos cheios de talento. Rock português a dar cartas. Hoje no Chapitô.

- Carnaval de Estarreja, Ovar ou Sesimbra: Se há coisa de que gosto de ver são os desfiles de samba aqui em Portugal. Admiro muito a coragem de quem consegue dançar nu à chuva. Quem me dera conseguir estar nos 3 sítios ao mesmo tempo para não perder pitada!

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.