Um ano depois, ainda vivemos uma espécie de lua-de-mel com o Presidente e aceitamos sem ponta de critica todos os seus exageros, incluindo a mais escancarada agenda que alguma vez a política teve em Portugal. E só mesmo pessoas como Cavaco Silva conseguem certamente lamentar uma presidência de “afectos”, pacificadora, cordata (sem ser adormecida ou acrítica…).

Só Cavaco? Vivemos em Lua-de-mel? Hmm… Vivemos, nós os cidadãos comuns. Ou muito me engano ou a lua está a mudar… Porque esta semana começou a reviravolta - e começou por onde sempre se iniciam as vagas de fundo, devagar mas em coro: comentadores mais ou menos encartados, palpitadores de TV e políticos travestidos de opinadores, abriram as hostilidades contra Marcelo na sequência da entrevista que deu à SIC, assinalando o primeiro aniversário da sua Presidência.
No essencial, os comentadores ficaram chocados porque Marcelo foi… igual a ele próprio. Não conseguiu evitar fazer transparecer o que pensa sobre a fraca liderança da oposição e a segura caminhada do Governo. Não assumiu quem estava errado ou certo - quem o pode fazer? -, mas não deixou por dizer o que pensa, ainda que de forma bem mais institucional e discreta do que nos tempos em que era, ele próprio, um comentador.

Confesso que me surpreende esta reacção daqueles que são pagos para olhar a política nacional. Que esperavam? Que Marcelo se armasse em Cavaco quando tivesse de analisar a situação política? Que ignorasse a sua origem partidária e evitasse a bicada essencial a uma mudança que meio-mundo pede, mesmo que em surdina? Faz sentido um Marcelo Presidente formal para falar do PSD e do Governo, e o outro Marcelo dos “afectos”, com o coração na boca e a palavra sempre pronta?

Estão a pedir-lhe o bolo e o dinheiro do bolo? Não peçam. Talvez seja o que me afasta do mundo dos comentadores e analistas: não espero de Marcelo outro que não seja ele, qualquer que seja a ocasião. Vejo-o mais discreto e ponderado quando fala de Portugal - mas não espero um Cavaco com bolo-rei na boca, nem um Eanes sem opinião. Votei, como a maioria dos portugueses, neste Marcelo e na sua forma de agir, na sua energia avassaladora, e numa muito elegante forma de nunca deixar de dizer o que pensa. E nesse quadro, a entrevista que abriu as hostilidades não foi mais do que uma “evolução na continuidade”. Eis Marcelo, o Presidente.

É a economia, estúpido!

A guerra aberta entre a cidade de Nova Iorque e a popular Airbnb, cujo sucesso em Lisboa ameaça o mercado imobiliário, sem pena nem remorso, ganha novos desenvolvimentos. Este excelente texto no blog de Joshua Brustein, colaborador da Bloomberg, ajuda a perceber o que está em causa.

No Jornal Económico, um artigo de opinião do sociólogo Renato Carmo vem pôr na ordem o debate sobre a forma como tratamos o mundo da ciência e do conhecimento. Profissionalizar é garantir futuro - mas nem todos percebem da mesma maneira…

Invenções que mudam a forma como consumimos - e por essa via, a forma como vivemos. Quem diria que de uma garrafa em vidro a uma lata, tantas voltas (e espuma…) daria uma cerveja?

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.