com o apoio MEO
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais
  • A vacina ineficaz
    Poucos dias depois da vitória eleitoral de Donald Trump, o escritor Mario Vargas Llosa afirmou, num evento literário, e cito de cor: “a escolha de Trump é uma demonstração de que a cultura e a civilização não vacinam uma sociedade contra o populismo e a demagogia".
  • "Não me gritem!"
    Nunca como hoje fomos tão donos das nossas escolhas – com dinheiro, sem dinheiro, em espaço público ou privado – o que deve dar dores de cabeça a quem tem por obrigação vender-nos “coisas” em massa.
  • Fogo português
    Há duas formas de observar e analisar a tragédia que este Verão se abateu sobre Portugal: ou continuamos a converter qualquer acontecimento num argumento para a disputa política entre os Partidos que governam e que estão na oposição, e tudo continuará como está; ou abrimos os olhos e reconhecemos qu
  • Todos a andar por aí
    Pedro Passos Coelho tem muitos defeitos, foi o líder do PSD que melhor conseguiu conjugar o vazio com a resiliência, e dos poucos que julgou ser ainda primeiro-ministro muito tempo depois de já não ser – mas pelo menos teve uma vantagem sobre os candidatos que se perfilam para governar o partido: nu
  • Espanto: a CDU não ganhou as eleições?
    Passaram alguns dias e continuo de boca aberta, estupefacto e incrédulo. O PCP admitiu que teve maus resultados? A CDU não venceu estas eleições? Os resultados não confirmaram que as conquistas de Abril, e a luta dos trabalhadores por um país de cravos e cooperativas, estavam à beira de serem reconh
  • Onde fica Lisboa?
    A primeira vez que fui a Veneza, a meio dos anos noventa do século passado, o que mais me impressionou – para lá de ser esmagado pela beleza natural da cidade – foi a massa compacta de turistas que tomava conta das ruas, das praças, das esplanadas, todos os dias, de manhã à noite. Ouvia falar pouco
  • Como adiar a realidade? Estudando
    Todos os anos, por esta altura, os jornais publicam as listas com as notas de entrada no ensino superior, listam os cursos, as vagas, as médias, e em geral são acompanhados pelas rádios e televisões em reportagens com testemunhos cheios de esperança e vontade. É o começo do ano escolar – mas para qu
  • O silêncio dos inocentes
    Há fenómenos estranhos na nossa parca e pobre democracia: somos capazes de nos revoltarmos contra uma discriminação de género sexual duvidosa, básica e um pouco tola – mas mantemos um estranho silêncio, que mais parece indiferença, quando um tribunal europeu determina que é legitima a violação da co
  • O nome dele é Eduardo Cabrita
    Nesta história dos “Blocos de Actividades” para “rapazes” e “meninas”, que já fez correr mais tinta do que merecia, houve algo que me fez espécie e sai fora do debate sobre o “género” e a diferença entre azul e rosa: falou-se muito na Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, foi reproduzido
  • Votar. Mas não mudar
    Ver os “tesourinhos deprimentes” que constituem boa parte dos cartazes, slogans, imagens e frases de campanha das eleições autárquicas do próximo dia 1 de Outubro, que vão aparecendo nas redes sociais e na imprensa quase todos os dias, e assistir já esta semana aos primeiros debates entre candidato
  • O que arde e se vê
    Entrámos no mais perigoso momento do drama dos incêndios de Verão. É quando se apaga lentamente da memória emocional a "chacina" de Pedrógão Grande, é quando se torna banal a abertura dos noticiários com paisagens que ardem, é quando já ninguém se impressiona com essas imagens, nem se lembra dos dia
  • O fim da memória
    Numa longa entrevista de José Mourinho que a RTP emitiu esta semana, às tantas, o entrevistador faz a pergunta óbvia: como gostaria o treinador de ser lembrado no futuro? Num dos seus muitos momentos de falsa ingenuidade e disparatada humildade - que nos habituámos a ver conviverem com a arrogância
  • A comédia negra
    Como se regressasse de outro mundo, começo a observar, analisar, ler com maior atenção tudo aquilo que, no último mês, me passou ao lado. Costuma dizer-se que quando nos afastamos do nosso pequeno mundo, conseguimos ganhar vistas mais largas e relativizar melhor o que nos rodeia. Será verdade, quand
  • Dias cada vez mais comuns
    Há exactamente um ano estava em Manchester. Decidira, à última hora, festejar os 52 anos com o meu filho, que estuda na Universidade local, e por lá andei, numa cidade “cool” e muito acolhedora, onde se encontra tudo o que nos fascina em Londres, mas em dose moderada: a vantagem da dimensão ajuda qu
  • A culpa foi do “nesting”
    Há pontarias tramadas. Decidi que este era o melhor momento – talvez o único, neste ano cheio - para tirar uns dias a praticar aquilo que sempre cultivei, mas agora tem nome: “nesting”. Não é bem “fazer Nestum” – expressão feliz, do nosso calão, que significa exactamente “fazer nada”... - mas é usar
  • Sem sombra de tranquilidade
    Faz lembrar aquela anedota sinistra sobre o amor: "Então, mas você ama-a por amor, ou por interesse?" / "Olhe, amigo, deve ser por amor, que ela interesse não tem algum...". Assim olho eu, de forma simplória, para as eleições francesas, agora que “respirámos de alívio” porque, por uma vez, as sondag
  • Profissão: olhar para o lado
    Há melhor do que haver quem nos deixe a pensar, num tempo em que nos desculpamos, por tudo e por nada, com a falta de momentos para “parar e pensar”? Gosto de ler alguns dos escritores, jornalistas e ensaístas que pontuam a revista de domingo do jornal “El Pais”. As crónicas são quase sempre boas re
  • E uma vacina contra a ignorância?
    O ser humano tem este dom extraordinário de usar pesos e medidas diferentes para situações semelhantes, dando sentido à expressão “albardar o burro à vontade do dono”, e com isso justificando qualquer espécie de atitude. Até mesmo apanhar sarampo, doença que julgava erradicada do nosso horizonte.
  • Eles & Elas e nada disso
    “O nome dela é Pedro e ela é um monstro” – este título de uma matéria da última revista do Expresso, assinada por Christiana Martins, além de ter baralhado o corrector ortográfico do computador, remeteu-me para outras matérias que li na imprensa inglesa, por estes dias, numa coincidência que até me
  • Portas à solta
    A semana começou com o regresso ao pedaço de Paulo Portas, directamente da Mota-Engil e da petrolífera mexicana PEMEX (serão assim tão diferentes da Goldman Sachs de Durão Barroso, que aliás o convidou?), para nos iluminar sobre globalização, Trump, referendos, eleições e os caminhos ínvios da Europ

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.
mookie1 gd1.mookie1