Tem sido um mês problemático para grande parte da Europa, onde vários países tiveram de decretar quarentenas obrigatórias e as respetivas economias desaceleraram por todas as mudanças que foram obrigados a fazer nas rotinas da sua população. Contudo, existem hábitos que não mudam e, mesmo num contexto de emergência global, continua a existir quem procure simplesmente tirar proveito de uma situação dramática.

Um relatório publicado pela Europol (Serviço Europeu de Polícia) procurou destacar os fatores que levaram nas últimas semanas ao aparecimento de diversas vagas criminosas, bem como a forma como estas estão a tentar tirar vantagem de alguns fenómenos criados pela pandemia COVID-19.

Um deles é a crescente preocupação com o risco de contaminação do coronavírus, que tem levado a um aumento de procura de produtos categorizados como essenciais para proteção desta epidemia como máscaras, gel desinfetante, luvas e alguns tipos de medicamentos.

O outro é o maior tempo que as pessoas estão a passar em casa e online em teletrabalho, com decretos de quarentena que restringiram a mobilidade dentro e entre localidades.

O primeiro gera uma maior vulnerabilidade e propensão a exploração por parte de pessoas que querem adquirir os ditos produtos urgentemente. O segundo decorre de uma limitação da vida pública que provocou que as atividades de índole criminosa se tornassem também mais digitais.

Em conjunto, os dois fatores levaram ao aumento de alguns dos principais tipos de crime: phishing e malware, fraude, contrabando, crime organizado e tráfico de migrantes. Fique a saber em que consiste cada um destes crimes de forma a poder prevenir eventuais tentativas e proteger a sua família e o seu negócio deste tipo de ataques.

Phishing e Malware     

A Europol tem observado um aumento no tráfego de emails de phishing, de spam, de links de malware e ransomware, cuja intenção não é mais que roubar os dados essenciais de utilizadores que possam levar a que criminosos acedam a contas bancárias dos mesmos.

Phishing é o nome a qualquer tentativa de roubar informações pessoais através de emails falsos ou redirecionar utilizadores para websites falsos. Malware significa malicious software (“software mau” em português) e é onde se incluem todos os vírus que já ouvimos falar que podem, quer roubar dados pessoais, quer danificar os dispositivos onde foram acedidos. Ransomware é o nome dado ao vírus que leva o utilizador a uma página em que é obrigado a pagar uma taxa para que o sistema operativo do seu dispositivo volte a funcionar.

Entre ciberataques a bases de dados e campanhas de email com produtos como máscaras, luvas e desinfetantes que exigem informações bancárias, são tudo esquemas que pretendem tirar proveito de quem apenas se quer manter em segurança.

Fraude e contrabando        

No que diz respeito à fraude e ao contrabando, estão os dois relacionados com a procura de certos produtos a todo o custo - atualmente os produtos de proteção individual são os que geram maior movimento. Alguns grupos de origem criminosa tiram partido desta procura com ofertas fraudulentas às quais é preciso estar atento. A Europol espera um aumento de esquemas por telefone, de fornecimento de produtos e serviços de descontaminação direcionados a indivíduos, empresas e organizações públicas que procuram diminuir o risco de infeção. Quanto ao contrabando, a agência europeia também prevê um aumento, especialmente, em produtos como os já mencionados, em que a elevada procura levou a que desaparecessem de lojas e farmácias, criando uma oportunidade de negócio para diversos grupos criminosos que os tentam vender por vias ilícitas.

Crime organizado e tráfico de migrantes

Por último, a Europol também revelou alguma preocupação com o aumento do crime organizado em propriedades e entre fronteiras. O facto das pessoas passarem mais tempo em casa ou em hospitais, leva a que seja necessária uma vigilância atenta nestes espaços.

Por outro, muitos países aumentaram o controlo sobre as suas linhas territoriais, tornando mais complicada a entrada de migrantes. Esta situação pode levar a que o tráfico humano aumente, com grupos de criminosos a venderem falsas esperanças a pessoas que apenas procuram uma vida melhor.

Em suma, estes dados demonstram que além de cuidados redobrados de higiene e desinfeção para nos protegermos do vírus, também teremos de prestar atenção a atividades ilícitas por parte de grupos que procuram tirar proveito da urgência e ação que este momento que vivemos exige.


A Altice Empresas acompanha e alerta  as empresas e organizações para os perigos que podem ser originados online e que crescem neste período de exceção.

Preencha o formulário abaixo  para qualquer esclarecimento ou apoio que necessite neste âmbito.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.