O novo planeta, batizado como K2-33b, com apenas 11 milhões de anos de idade (a Terra, em comparação, tem 4,5 mil milhões de anos), está situado na constelação de Escorpião a 470 anos-luz da Terra, e localizado numa órbita muito próxima à sua estrela (K2-33).

Este exoplaneta mostra que os planetas podem estabelecer uma órbita definitiva em torno da sua estrela muito rapidamente após a sua formação, revelam os astrónomos que publicaram os detalhes da investigação no Astronomical Journal, publicação científica da Sociedade Americana de Astronomia.

Cerca de cinco vezes maior que a Terra, o K2-33b situa-se na categoria de "super-Neptunos" - planetas gigantes de constituição gasosa.

Veja também: Cientistas descobrem exoplaneta gigante a girar entre duas estrelas

Estes planetas podem formar-se numa órbita próxima à sua estrela ou, em outros casos, nascer numa órbita distante e migrar para uma mais próxima devido a diferentes interações durante sua formação.

"Se, no nosso sistema solar, Júpiter ou Neptuno tivessem migrado, depois da sua formação, para uma órbita mais próxima do sol, seria pouco provável que a Terra ou que outro planeta rochoso similar existisse atualmente", explicou Andrew Mann, astrónomo da Universidade do Texas, em Austin, e um dos principais autores do estudo.

Veja também: Telescópio Kepler possibilita a maior descoberta de planetas fora do sistema solar

Os investigadores descobriram o planeta K2-33b através de um telescópio espacial Kepler, da Nasa. Estão a ser feitas observações adicionais para confirmar a existência do exoplaneta assim como para determinar as suas características.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.