Se parar é morrer, então o próximo passo para as lojas é digitalizar. “Há dez anos, o que estava a criar disrupção na indústria eram as empresas capazes de praticar preços mais baixos e que estavam a entrar no mercado. Agora, o desafio é digital. Hoje tens lojas online onde consegues encontrar quase tudo o que procuras”, diz Sebastian Campos Groth, responsável por gerir um programa de startups vocacionado para o retalho.

Sebastian e Alexander Hafner trabalham ambos na Techstar, uma empresa cuja missão é "acelerar" o negócio de startups. Em Berlim, depois de andar por toda a Europa à procura de boas ideias, a equipa da Techstar desenvolveu um programa dedicado ao retalho com o apoio da METRO, a oitava maior retalhista do mundo. Apenas nove startups - de Israel à Turquia, passando pela Lituânia, por Espanha e Portugal - foram escolhidas. De Lisboa para a capital germânica “voaram” a Sensefinity e a Sensei.

Com abordagens completamente distintas, todos estes projetos têm um objetivo comum: equilibrar o campo de batalha e dar às empresas offline as mesmas armas que têm hoje gigantes do retalho como a Amazon. E, no final do dia, tem tudo a ver com dados, porque, literalmente, informação é poder.

“Tenho idade suficiente para me lembrar de um mundo sem telemóveis, onde não era possível em tempo real e em qualquer lugar escolher o que comprar, onde comprar e como comprar. É bom que o futuro nos tenha trazido isso [enquanto consumidores], mas é importante para os retalhistas garantir que fazem parte desse diálogo com os clientes”, explica Andreas Wurfel, responsável de Inovação na METRO.

Ligar startups a empresas que são líderes nas suas indústrias é algo que Alexander Hafner, diretor deste programa de aceleração para o retalho, considera um “perfect fit”, um encaixe perfeito. “O retalho está a mudar e não é do lado das grandes empresas da indústria, é nas mentes dos jovens empreendedores que decidem em determinado momento que têm mais que fazer e exigem fazer compras com o menor esforço possível”, diz Alexander.

Estes 'loucos' só precisam de uma oportunidade
Estes 'loucos' só precisam de uma oportunidade
Ver artigo

“As startups estão numa situação única, porque têm um pé dentro do nosso negócio e um pé fora. Elas podem antecipar tendências e moldar tendências, algo que se és uma empresa grande terás mais dificuldade em conseguir. Então, a inovação exterior é o que estamos a tentar promover com estes programas, para preparar a indústria [do retalho] para a próxima geração”, diz Andreas Wurfel.

Depois de três meses de aceleração em Berlim, onde estas empresas conheceram uma centena de mentores, tiveram oportunidade de experimentar as suas tecnologias no terreno e treinaram vezes sem conta a melhor maneira de apresentar e “vender” o seu projeto, estas são as suas propostas para revolucionar a indústria do retalho.

Câmaras de filmar inteligentes

Cerca de 90% do consumo acontece no mundo real e não através de um ecrã de computador ou tablet. No entanto, os retalhistas convencionais não sabem muito sobre o que se passa nas suas lojas. Conseguem controlar inventário e vendas, mas existem inúmeros “ângulos mortos” no seu negócio. Como é que os clientes se movimentam pela loja? Quais são os produtos que captam mais a sua atenção? Onde passam mais tempo? Que corredores evitam? Quantos saem de mãos vazias e porquê? Esta é a resposta da portuguesa Sensei.

Não leve 2 pelo preço de 1. Faça “snap”

Lançar e executar uma campanha promocional leva atualmente entre 6 a 8 semanas e o mais habitual é fazerem-se descontos diretos, adotar o tradicional “leve 2 pague 1” ou oferecer uma maior quantidade de produto pelo mesmo preço. O facto é que ao fazer este tipo de promoções, o retalhista está a ganhar menos dinheiro e, ao mesmo tempo, está a diminuir a perceção de valor do produto. Ahmet e Halil têm uma proposta alternativa, capaz de criar uma ligação emocional com o consumidor sem prejudicar os preços. Para esta dupla de empreendedores a solução para o problema passa por mudar não só o tipo de ofertas que se faz, como pela forma como se faz. Como? Justsnap!

Em busca da verdadeira voz do cliente

Se o cliente tem sempre razão, o melhor será mesmo saber - ou se possível antecipar - o que pensa sobre determinado produto ou serviço. E se em tempos isto obrigava a conduzir um estudo de mercado abrangente - e, consequentemente, caro - e esperar pelos resultados, que poderiam chegar tarde de mais, hoje a Internet é um imenso livro de reclamações, críticas, descrições, avaliações e preços. E não só permite avaliar o desempenho dos nossos produtos e serviços, como também monitorizar a concorrência. O problema? Reunir toda esta informação dispersa e analisá-la de forma rápida e precisa. Qual problema? A Epinium tem uma solução.

Fazer compras através do Facebook Messenger com uma fotografia

Imagine que está a folhear uma revista e se cruza com aquele par de botas da nova estação, ou que está a percorrer o seu Instagram e descobre “aquele” casaco. Simples: tire uma fotografia, abra a página de Facebook da sua loja do costume e envie a imagem através do Facebook Messenger. Hoje, provavelmente, receberia uma mensagem padrão. Mas se a sua loja de sempre tiver instalada a tecnologia I am Bot poderá encontrar o que procura e finalizar a compra ali mesmo, numa conversa de chat. O comércio conversacional é a mais recente tendência e a I am Bot quer garantir que ninguém fica “fora de moda”.

Da padaria para o cliente. E se os produtos “falassem”?

Não há revolução sem comunicação, e o retalho não podia fugir à regra. A Sensefinity quer colocar produtos a “falar" com o processo logístico, desde a produção até ao armazenamento. Para isso, esta empresa portuguesa desenvolveu sensores capazes de medir temperatura, humidade, vibração e apontar uma localização. Além disso, todos os sensores comunicam entre si para garantir que o que chega à mesa do cliente tem o selo de qualidade que a sua marca representa, quer seja uma padaria ou um gigante do retalho mundial.

E tudo começou num camião que deitava gelados fora à beira da estrada

Cerca de 30% do que é produzido para consumo humano é desperdiçado, conta-nos Oljay, CEO e cofundador da Whole Surplus, uma plataforma de gestão de desperdício alimentar. Oljay quer ajudar empresas, pessoas carenciadas e o Planeta... tudo ao mesmo tempo, e com o maior retorno financeiro possível. 

Cozinhar com gosto (e sabendo à partida o que vamos gastar)

80% das pessoas diz que gosta de cozinhar, mas apenas 1/3 destas o faz regularmente. Provavelmente porque se perdeu nas milhares de receitas online sobre o melhor prato de pasta do ano; ou porque chegou tarde ao supermercado e não sabe para onde se virar. "O resultado mais provável é o de levar uma pizza congelada para casa ou fazer uma daquelas duas receitas que faz sempre", diz Eva, que se propõe resolver este problema com uma "deliciosa" app. A Kptn Cook sugere-lhe apenas três receitas saudáveis por dia, cria automaticamente uma lista de ingredientes e ainda compara os preços nos supermercados mais próximos de si. Infelizmente, por enquanto o serviço só está disponível na Alemanha, mas ficam as receitas.

mio. Vai uma piada e uma bebida gelada?

E se fosse abordado por um robô no meio da rua. Ele fala consigo, faz uma piada e acaba por lhe oferecer uma bebida fresca. Isto arrancar-lhe-ia um sorriso? 90% das pessoas que interagiram com o pequeno mio sorriram ao ver passar o simpático robô desta startup da Lituânia. mio é sobretudo uma plataforma de marketing e distribuição… para que não seja preciso atirar pessoas do Espaço para chamar à atenção, diz Roman.

Oriient. Nunca mais se sinta perdido

Já alguma vez se sentiu perdido dentro de um edifício. E quantas vezes olhou para um mapa sem conseguir tirar uma conclusão? A Oriient utiliza o campo magnético da Terra para criar um GPS que funciona dentro de casa, do museu, do aeroporto, do supermercado... as possibilidades são imensas. E como é que subitamente o campo magnético da Terra se transformou num produto de alta tecnologia? Tem tudo a ver com os sensores que hoje existem dentro do seu smartphone. O israelita Mickey explica tudo.

Todas estas ideias foram apresentadas e demonstradas num evento organizado no supermercado Markthalle Real, em Krefeld, na Alemanha, uma loja de bandeira onde o grupo METRO testa as mais diferentes tecnologias destinadas ao setor do retalho.

*Os jornalistas viajaram a Krefeld a convite do METRO Accelerator for Retail powered by Techstars

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Um artigo do parceiro

The Next Big Idea é um site de inovação e empreendedorismo, com a mais completa base de dados de startups e incubadoras do país. Aqui encontra as histórias e os protagonistas que contam como estamos a mudar o presente e a inventar o que vai ser o futuro. Veja todas as histórias em www.thenextbigidea.pt