Estes algoritmos decidem que vídeos os utilizadores veem sem primeiro lhes requererem que sigam outros utilizadores ou que especifiquem as suas preferências.

Com base em fontes não identificadas, mas conhecedoras do processo, o jornal garantiu que os algoritmos estavam integrados no negócio até sexta-feira.

Foi quando o governo chinês introduziu restrições à exportação da tecnologia de inteligência artificial, como a que alimenta a TikTok.

A decisão chinesa seguiu-se aos esforços de Donald Trump para forçar a venda pelos chineses da operação da TikTok nos EUA até 20 de setembro.

Aquelas restrições às exportações significam que o proprietário chinês da TikTok, a ByteDance Ltd., teria de obter uma licença para exportar qualquer tecnologia restrita para uma empresa estrangeira.

A questão é saber se os seus algoritmos precisariam da aprovação do governo chinês para serem transferidos e, se assim for, se Pequim iria autorizar a transferência.

O jornal adiantou que tanto os eventuais compradores, como o vendedor, ByteDance, estão a procurar esclarecer a situação.

Entre aqueles está a aliança Microsoft-Walmart e alegadamente a Oracle.

Representantes da Microsoft e da Walmart declinaram comentar a situação e os da TikTok e da Oracle não responderam de imediato aos pedidos de comentário.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.