Já estamos no Twitter! Segue-nos em @vaisgostardisto, página que vamos utilizar para acompanhar o dia-a-dia do mundo na cultura pop.


Navegando por zonas cinzentas

O mundo continua de pernas para o ar, depois de uma pandemia que vai mudar a forma como estávamos habituados a viver e interagir uns com os outros. E, no meio de tantas alterações, dificuldades e sofrimento, é fácil esquecer que continuam a existir outros problemas graves no mundo, que são uma afronta aos mais básicos direitos humanos. A nova série da Netflix “Stateless” é uma recordação disso.

Sem um período temporal bem definido, a série australiana gira à volta de um centro de detenção de imigrantes ilegais que por diferentes vias tentaram chegar à Austrália, à procura de uma vida melhor. Em seis episódios, a narrativa de “Stateless” é desenvolvida através de quatro personagens diretamente ligadas ao dia-a-dia do centro: Sophie, uma residente australiana que acaba misteriosamente detida no centro e classificada com uma imigrante ilegal alemã; Ameer, um refugiado afegão que fugiu dos horrores do seu país com a sua família e que acabou por se separar da mesma; Cameron, um dos seguranças do centro de imigração, que tem dificuldade em lidar com aquilo que vê no dia-a-dia, mas que faz o sacrifício pela sua família; e Claire, uma funcionária pública do Governo que fica responsável pela supervisão do centro de detenção e por tomar as decisões difíceis.

Com um tema complicado de abordar, a série acaba por conseguir criar diferentes storylines (até com outros imigrantes) que nos agarram e retrata muito bem a área cinzenta em que as personagens navegam na sua vida e nas decisões que os levaram a estar ali. Há uma noção geral daquilo que devia ser feito, especialmente do lado de Cameron e Claire, mas também uma preocupação com as implicações que isso pode ter nas suas vidas e nos seus empregos. Sophie e Ameer servem para representar dois opostos - um exemplo de uma mulher que tinha uma vida normal e que acabou detida devido a uma experiência traumática e um homem que acha que está a fazer tudo certo para poder entrar no país e que vai enfrentar mais obstáculos do que aqueles de que estava à espera.

  • Caras conhecidas: Sophie é interpretada por Yvonne Strahovski, conhecida pelos seus papéis em “Chuck” e “Handmaid's Tale” e conta com participações especiais de Cate Blanchett (que também é uma das criadoras da série) e do ator Dominic West.
  • Inspirada numa história real: de Cornelia Rau, uma cidadã alemã que tinha residência permanente na Austrália e que, em 2004, após escapar de um hospital, acabou detida num centro de imigração, depois de recusar dar a sua identidade.
  • Vê por ti: aqui está o trailer.
créditos: Rodrigo Mendes | MadreMedia

showbiz dá dores de crescimento
 
As histórias de crianças que ficaram famosas cedo estende-se ao início da popularidade do cinema nas primeiras décadas do século XX. Crianças que, de um momento para o outro, faziam dinheiro que adultos nunca iam fazer, crianças que tinham pais superprotetores que viviam os seus sonhos através dos filhos, pais invejosos que muitas vezes tiravam proveito de roubar uma infância normal aos seus filhos, para viverem à sua custa.
 
No documentário “Showbiz Kids”, da HBO em parceria com o The Ringer, são várias as caras conhecidas que passam por lá. O ator Henry Thomas, que ficou famoso com o seu papel em “ET”; a atriz Evan Rachel Wood, que participou em vários filmes enquanto jovem, e que agora protagoniza a série “Westworld” e a atriz Milla Jovovich que, antes de dar caras aos filmes de “Resident Evil”, teve um percurso atribulado de fama na adolescência.
 
São histórias de atores que foram obrigados a crescer muito cedo e que, em muitos casos, tiveram de lidar precocemente com pressões que uma criança normal não está preparada para gerir. Como é que uma criança lida com a fama? Como é que uma criança está preparada para lidar com as críticas? Como é que uma criança que cresce sendo popular se adapta a um período menos bom na sua carreira? Qual é o papel dos pais e da família nestas situações? Qual é o papel da indústria do entretenimento na proteção que tem que garantir? São questões que os atores abordam sem reservas, cada um com o seu ponto de vista e com a forma como diversas situações moldaram as pessoas que são hoje.

Receba estas sugestões no seu e-mail

"Acho Que Vais Gostar Disto" é uma rubrica do SAPO24 que lhe sugere o que ver, ler e ouvir.

Se quer receber estas sugestões confortavelmente no seu e-mail, basta subscrever a rubrica em formato newsletter através deste link.

 
As participações dos atores são intercaladas com o acompanhamento de um jovem que tenta encontrar o seu papel em Hollywood durante a “pilot season”, a época em Hollywood em que produtoras fazem o casting para as suas novas séries, e os sacrifícios que os seus pais têm de fazer para que o rapaz possa atingir o seu sonho. No documentário, é afirmado que 95% das pessoas que fazem um casting não conseguem um papel, por isso, não só há uma ínfima possibilidade de se ser o escolhido, como para se ser, tem que se levar muitos nãos até chegar lá.

  • A última vez: o ator Cameron Boyce, que se tornou famoso ao ser uma das caras da Disney, infelizmente morreu de um ataque epilético há um ano, e teve no documentário, a sua última aparição num ecrã.
  • O trailer: Vê aqui.
  • Quem é a jovem celebridade que mais te marcou? Partilha comigo.

Um santo aparece para cobrar uma dívida
 
A HBO tem feito um ótimo trabalho em tentar dar destaque a vários conteúdos portugueses que foram produzidos nos últimos anos. O filme “São Jorge” chegou à plataforma esta semana como, provavelmente, um dos filmes portugueses que mais prestígio ganhou lá fora.
 
Aproveitando, se calhar, a nova popularidade que Nuno Lopes ganhou depois da série "White Lines" da Netflix, a HBO apostou no filme protagonizado pelo ator português e realizado por Marco Martins. Chegou às salas portuguesas em 2017 e aborda um período negro recente do país: a entrada da troika em 2011, numa altura em que Portugal atravessava uma grave crise financeira. Milhares de pessoas e negócios passavam dificuldades, pois estavam com menos dinheiro e não eram de capazes de pagar as suas dívidas. Com dificuldades em lucrar com os créditos que tinham concedido, muitos bancos venderam as suas dívidas a empresas de cobrança, conhecidas pela “insistência” dos seus capangas cujo salário estava dependente de uma percentagem da dívida que conseguissem recuperar desses devedores. 
 
Jorge, representado por Nuno Lopes, é um boxeur amador e está desempregado. Mora numa casa num bairro pobre, que divide com várias pessoas, entre elas o seu pai e o seu filho, fruto de um relacionamento que teve com uma ex-namorada. A sua única fonte de rendimento são os combates (que vai sucessivamente perdendo), que ele usa para ajudar o filho, contribuir para a casa onde vive e para dar à “ex” uma espécie de pensão de alimentos. Contudo, Jorge reavalia a sua vida quando, num contexto de dificuldades económicas, a ex-namorada o informa que está a considerar regressar ao Brasil (a sua terra natal) com outro homem e levar o filho com ela. 
 
Para recuperar sua relação e manter a sua família, Jorge começa a trabalhar numa empresa de cobranças e a ir a casa e ao local de trabalho de devedores. Isto revela-se uma tarefa complicada, pois tem de ir atrás de pessoas que também estão a passar dificuldades, o que lhe causa um problema de consciência sobre o trabalho que tem a fazer.

  • Premiado: Nuno Lopes venceu o Prémio de Melhor Ator no Festival Internacional de Veneza.
  • Trending: Uma pesquisa por Nuno Lopes na plataforma Google Trends conta-nos a história da sua popularidade. Consegues explicar os três “picos”?
  • O trailer: Vê aqui.
créditos: Rodrigo Mendes | MadreMedia

Créditos Finais

  • Uma série com base numa app de relaxamento? Já está a ser desenvolvida pela HBO Max e irá contar com Nicole Kidman e Idris Elba. Sabe mais neste artigo da Vulture.
  • Como serão gravadas as cenas de intimidade em tempo de Covid-19? Foi esta a pergunta à qual o The New York Times tentou dar uma resposta neste artigo.

Tens recomendações de coisas que eu podia gostar? Ou uma review de um dos conteúdos que falei?
Envia para miguel.magalhaes@madremedia.pt

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.