Num comunicado hoje divulgado, a WarnerMedia, detida pela AT&T e que opera a HBO Max, classifica “E tudo o vento levou” como “um produto do seu tempo” que retrata preconceitos raciais.

“Estas representações racistas eram erradas naquela época e são erradas hoje, e achamos que manter este filme [disponível na plataforma] sem uma explicação e uma denúncia dessas representações seria irresponsável”, lê-se no comunicado, citado pela agência Associated Press.

De acordo com a empresa, quando “E tudo o vento levou” regressar à HBO Max, irá incluir “contexto histórico e uma denúncia dessas mesmas representações, mas será apresentado tal como foi criado, porque fazer o contrário seria o mesmo que alegar que esses preconceitos nunca existiram”.

Os protestos anti racismo, que começaram nos Estados Unidos da América, devido à morte do cidadão afro-americano George Floyd às mãos da polícia, e se espalharam por todo o mundo, forçaram as empresas de entretenimento a analisar produções atuais e passadas.

Na terça-feira, a norte-americana Paramount cancelou a série de realidade “Cops”, ao fim de 33 temporadas. A britânica BBC retirou da sua plataforma de streaming episódios da série de humor “Little Britain”, que incluíam um personagem com ‘blackface’ (quando um caucasiano pinta a cara de preto para representar alguém de raça negra).

Na terça-feira, o jornal norte-americano Los Angeles times incluiu um artigo de opinião do escritor norte-americano John Ridley, no qual este apelava à retirada de “E tudo o vento levou” da HBO Max, alegando que o filme “glorifica” a escravatura durante a Guerra Civil dos Estados Unidos.

“Ignora os seus horrores e perpetua os estereótipos mais dolorosos das pessoas de cor”, escreveu.

“E tudo o vento levou”, baseado no livro com o mesmo nome de Margaret Mitchell, publicado em 1936, é um romance histórico, que tem como figuras centrais Scarlett O’Hara (interpretada por Viven Leigh) e Rhett Butler (Clark Gable).

O período histórico no qual se desenvolve a ação é um capítulo ainda controverso na sociedade norte-americana, já que os Estados dos Sul queriam proclamar a independência, negando-se a abolir a escravatura.

Desde que surgiu o filme foi várias vezes criticado por incluir personagens escravos que se mantém leais aos seus donos após a abolição da escravatura

Vencedor de oito Óscares, incluído o de Melhor Atriz Secundária para Hattie McDaniel (que se tornou na primeira mulher negra a ser nomeada e a ganhar uma estatueta dourada) , “E tudo o vento levou” continua a ser o filme mais rentável de sempre, quando ajustado à inflação.

Quando a atriz Hattie McDaniel ganhou o Óscar pela interpretação de uma escrava, teve de sentar-se na cerimónia separada do restante elenco do filme, devido às leis de segregação racial.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.