Fumo branco: já se sabe quais serão os 16 temas a concurso na edição deste ano do Festival da Canção. Os compositores foram, uma vez mais, escolhidos "a dedo" pela RTP, com direito a duas estreias: Mariana Bragada e Filipe Keil, vencedora do programa "Masterclass", da Antena 1, e vencedor do concurso de livre submissão pública, respetivamente.

Mas há novidades: este ano, pela primeira vez, a RTP divulgou as canções na íntegra antes das duas galas. Aproveitámos a deixa e fomos ouvir os temas, um a um. E eis o que retirámos desse exercício.

[Quem também não deixou de ouvir e comentar, foi metade da Internet. E só dá: Conan Osíris. Alinhamos.]

Calema - A Dois

Dupla santomense a residir há já largos anos em Portugal, os Calema somam mais de 100 milhões de visualizações no YouTube e centenas de concertos em diversos países. "A Dois" até começa bem, com um ritmo e uma melodia a ranger a kizomba, mas o tema sofre profundamente com o refrão - EDM banal que branqueia tudo aquilo que poderia vir a ser, enquanto representante do melting pot que é a música portuguesa. É pena.

Conan Osíris - Telemóveis

À hora a que este artigo é redigido, é ele o grande favorito à vitória no Festival da Canção. Não só porque se tornou, em 2018, num nome inescapável dentro da música portuguesa - e polarizador: o velho chavão "ou se ama ou se odeia" encaixa nele que nem uma luva -, através de "Adoro Bolos", o disco que o levou a vários palcos e festivais, mas também porque ainda não sabemos muito bem definir qual a sua identidade sonora. Fado com trap? António Variações do século XXI? Filho bastardo dos Cebola Mol? Cigano árabe da Brandoa? São essas identidades díspares que constituem a sua maior força, qual lufada de ar fresco num meio tão apto a rotular o que seja. À hora a que este artigo é redigido, repetimos, o vídeo para "Telemóveis" já conta com quase 50 mil visualizações. Muitas mais aí virão, certamente.

Ana Cláudia - Inércia

Conhecidos por fazerem uma pop despreocupada e contagiante (já lá vão dois belos discos: "#batequebate", de 2014, e "Maus Êxitos", de 2018), os D'Alva recorreram aos préstimos de Ana Cláudia para colocar 'Inércia' na edição deste ano do Festival da Canção. Os sintetizadores retrofuturistas / anos 80 que encontramos na música da dupla estão lá, soltos sobre um ritmo desgovernado e cheio de variantes, e com uma prestação vocal a fazer lembrar (outra) grande diva: Né Ladeiras. O maior problema de "Inércia"? Não é Eurovisiva. Falta-lhe kitsch, ou xarope, ou representatividade inegavelmente portuguesa. É "apenas" uma belíssima canção - e isso, neste território, não costuma significar nada.

João Campos - É O Que É

O que acontece quando juntamos mega-estrelas da pop nacional (os D.A.M.A.) à sonoridade a que a última grande vaga de cantautores portugueses nos habituou? Eis "É O Que É", tema que João Campos irá interpretar no Festival da Canção, e que durante uns dois minutos não destoaria em nenhum artigo dedicado a compilar nomes de ilustres do cançonetismo acústico made in Lisbon. O restante minuto, com a eletrónica a estragar o que poderia ter sido um bonito enlace de voz com guitarra, é que era dispensável. Já agora, se alguém conseguir explicar o que significa «as coisas só nos são quando são», agradecemos.

Filipe Keil - Hoje

Chegamos a um rosto semi-novo nestas lides cançoneteiras: o de Filipe Keil. Natural de Chaves, o jovem de 27 anos começou a dar-se a conhecer em 2006 com o tema "Só Quero Um Mundo Melhor", com o qual concorreu ao Festival da Canção Júnior da RTP. Chega ao Festival sénior após ter vencido o concurso de livre submissão pública com "Hoje", balada ao piano que no refrão se transforma em hino xaroposo-épico, com tiques do mais comercial R&B que se possa imaginar e com uma letra tão inane quanto um livro de auto-ajuda. Se o Festival da Canção lhe correr mal, poderá sempre acabar nas playlists do Spotify de milhares de adolescentes.

Ela Limão - Mais Brilhante Que Mil Sóis

2019: Rita Laranjeira, [que não a ex-concorrente do Festival da Canção Júnior], decidiu tornar-se Limão. Após despejar esta piada fácil, há que dizer que o problema de 'Mais Brilhante Que Mil Sóis' está mesmo no título demasiado comprido. A canção, composta por Flak (Rádio Macau, Micro Audio Waves), é um gostoso tema pop ao ponto de rebuçado, ideal para sonhar com uma infância que se julgava perdida, por entre desenhos animados ao sábado de manhã e o bolo de chocolate da avó. E o facto de soar demasiado "juvenil" para a Eurovisão não deverá assustar os seus fãs; se France Gall conseguiu ganhar em 1965 com uma canção sobre bonecas, Ela Limão também consegue.

Soraia Tavares - O Meu Sonho

Há qualquer coisa de pós-punk na forma como "O Meu Sonho" foi construída: o rufar da bateria, o baixo minimalista, e a voz soul de Soraia Tavares fazem lembrar um cruzamento de Slits com Young Marble Giants, levando-nos a crer que o sonho em questão seja não o de vencer a Eurovisão mas o de tocar no velhinho CBGB's. Mas, na mesma medida em que o instrumental de Lura é fenomenal, os versos são incrivelmente fracos; e se é verdade que para se fazer uma canção pop não é necessário ter um Nobel da literatura, exige-se um bocadinho de chama poética. Uma desilusão...

Matay - Perfeito

Piano em modo balada, cordas a fazer lembrar um filme da Disney, uma voz que claramente bebe dos grandes intérpretes dos anos 40 e 50. "Perfeito", tema cantado por Matay e composto por Tiago Machado, até poderia ter alguma hipótese de vitória se a fórmula não fosse exatamente a mesma de Salvador Sobral. E, como diz o ditado, o pássaro madrugador é quem apanha a minhoca.

Lara Laquiz - O Lugar

EDM suave com batida balear, "O Lugar", tema composto por André Tentúgal (We Trust) e cantado por Lara Laquiz, até pode vir a ter sucesso no Festival da Canção. No entanto, estima-se que só o venha a ter junto de quem sofre de insónia crónica.

Madrepaz - Mundo A Mudar

O Festival da Canção é também uma oportunidade para os compositores escolhidos saírem da sua zona de conforto, e este ano não haverá maior exemplo disso do que o de Frankie Chavez, músico mais dado ao blues e à língua inglesa que esta "Mundo A Mudar", dotada de uma guitarra bonita e de uma harmonia vocal extraordinária, com a secção de sopros no final a fazer lembrar o grande Zach Condon (Beirut). Não só isso, como é também a mais poética das concorrentes da edição deste ano; fosse o Grupo de Acção Cultural a cantar isto e era banida por ser demasiado política. A "zona de conforto" é uma treta.

Mariana Bragada - Mar Doce

Mariana Bragada foi a grande vencedora do programa "Masterclass", da Antena 1, e chega ao Festival da Canção com uma das suas próprias composições. Há uma guitarra elétrica solene (dizem-nos que ela é fã de Angel Olsen, e nota-se) a percorrer toda a canção, por vezes escondida sob o ritmo e a voz da cantautora transmontana, em registo jangly; e há também a ideia de que "Mar Doce" não é má, falta-lhe apenas algum calo. Nas mãos de um produtor mais experiente até poderia vir a ser um caso sério.

Dan Riverman - Lava

As nossas desculpas a André Tentúgal. Ao lado de "Lava", "O Lugar" é um Red Bull.

NBC - Igual A Ti

Nome respeitado dentro do hip-hop tuga ("Segunda Pele" é, ainda hoje, uma das grandes canções não só desta cena como desta vida), NBC decidiu adotar uma outra postura para o Festival da Canção: não é o rap assertivo e prenhe de soul a guiar os seus caminhos, e sim o do R&B meloso e medíocre, quase como se quisesse provar que até os grandes tropeçam e se desgraçam no asfalto. Pois, mas quem gosta de Kanye West já sabia disso.

Mila Dores - Debaixo Do Luar

Seria de esperar que Rui Maia (X-Wife, Mirror People) entregasse à voz de Mila Dores um qualquer tema dançável, cheio de sintetizadores e batidas de um 808, pronto a explodir em qualquer pista de dança do Porto a Nova Iorque. Mas não: tal como Frankie Chavez, também ele saiu da sua caixa para compor um tema com laivos jazz, que dá vontade de ir beber uns copos com o ou a mais-que-tudo, para depois acabar a ver a lua cheia enroscadinhos na varanda. O amor é uma coisa muito fofa.

Marlon - O Jantar

Melodicamente rica, "O Jantar" é também a canção mais mexida daquelas que nos foram apresentadas este ano. Pop/rock sem rodeios que beneficia ainda da inclusão de cordas, "O Jantar" tem o problema de terminar de forma demasiado abrupta - um fade out bonitinho resolvia a coisa - e de parecer ter sido feita não a pensar no Festival da Canção, mas sim no que há para além do Festival da Canção. Não espantaria ninguém que o seu compositor, que dá pelo nome de Pedro Pode e também responde enquanto S. Pedro, a passasse a incluir nos seus espetáculos após o concurso, ou sequer que a lançasse enquanto single ou a incluísse num disco futuro. A ideia de base, acreditamos, não é a de ganhar títulos no imediato; é a de formar uma equipa. Pede-se apenas alguma paciência aos adeptos.

Surma - Pugna

A verdade é que Surma não precisa disto para nada. Lançou o aclamado "Antwerpen" em 2017, tocou em todos os lados e mais alguns (e não apenas em Portugal), encantou plateias e arrastou toda a gente para o seu cubículo pop onde parece caber toda uma Islândia de Björk aos Múm, tal a atmosfera glacial que imprime à sua música - sem descurar o ritmo, claro, que é sempre extremamente importante. "Pugna" é puro Surma, e só se lamenta - deverá ter sido propositado - a oclusão da voz, que mais que sussurro é silêncio. Quem não a conhecia antes, passará a conhecer. Quem já sabe ao que vem só vai gostar ainda mais.

Todos estes intérpretes irão dividir-se entre duas semi-finais: a primeira a 16 de fevereiro e a segunda uma semana depois, a 23. A grande final - de onde sairá o representante português da edição de 2019 do Festival da Eurovisão - está marcada para 2 de março e acontece em Portimão.

[Notícia atualizada às 16h59. Corrige na informação de que Ela Limão (Rita Laranjeira) participou no Festival da Canção Júnior]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.