Nesta edição, a 12.ª na história do galardão instituído em 1996, os prémios foram atribuídos também à mexicana Carmen Boullosa, ao catalão Sergi Belbel e ao basco Harkaitz Cano, segundo o jornal galego “La Voz de Galicia”.

O júri do prémio considerou que Nuno Júdice, nascido em 1949, “tem um ótimo trabalho em vários géneros”, desde o romance à poesia, passado pelo ensaio.

Entre a sua bibliografia, destacam-se poemas como “As regras da Perspectiva” ou “Lira de líquen”, romances como “A árvore dos milagres” ou “O complexo de sagitário”, e ensaios como “As máscaras do poema” e “A viagem das palavras”.

Além disso, desenvolve trabalho como professor e crítico, e foi diretor do Instituto Camões em Paris.

Estes quatro escritores juntam-se agora aos 44 distinguidos nas edições anteriores da história do prémio, convertendo-se nos “melhores embaixadores da literatura galega”, segundo o júri, constituído Luís González Tosar, Ánxela Gracián, Xabier Castro Martínez, Bieito Iglesias, Xosé Ramón Pena, Marilar Aleixandre, Luís Menéndez e Manuel Guede.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.