Livro: O Talentoso Mr. Ripley

Autora: Patricia Highsmith

Convidado: Pedro Boucherie Mendes, jornalista, escritor e diretor de programas

Moderadora: Elisa Baltazar, anfitriã do "É Desta Que Leio Isto"

Data: 22 de abril de 2021

Ouça aqui a conversa sobre o livro O Talentoso Mr. Ripley:

Se não teve oportunidade de estar presente na última sessão do clube de leitura, serve este artigo que resumo para que não perca pitada. A conversa sobre O Talentoso Mr. Ripley fez-nos refletir sobre a moralidade, o certo e o errado e deixou no ar a seguinte questão: será que nascemos bons ou que nascemos maus?

Sobre o livro O Talentoso Mr. Ripley:

  • Conta a história de um rapaz, Tom Ripley, antissocial e com uma vida sem rumo, que é abordado pelo pai rico de um amigo, Dickie, que o convence a ir para Itália para convencer o filho a regressar aos Estados Unidos.
  • Já em Itália, o jovem começa a gostar da vida de luxo de Dickie, que não trabalha e vive à conta da fortuna dos pais, e passa os dias a andar de barco e a comer nos melhores restaurantes.
  • Ao mesmo tempo, os dois rapazes começam a desenvolver uma atração um pelo outro. Enquanto isto, Dickie tem uma namorada, Marge, que funciona como barreira ao envolvimento de Tom e Dickie.
  • Durante uma viagem de barco, Tom acaba por assassinar Dickie com a pancada de um remo na cabeça, no calor do momento, e fingir que nada aconteceu.
  • Foi escrito em 1955 e aborda um tema tabu para a época: a atração sexual entre dois homens.
  • Em 1957, venceu o Grand Prix de Littérature Policière como melhor romance criminal internacional.
  • Em 2019, foi considerado um dos 100 romances mais inspiradores pela BBC.
  • Teve 3 adaptações para o cinema. Aquela que é considerada a mais bem conseguida é a de 1999 e conta com estrelas de Hollywood como Matt Damon, Jude Law, Gwyneth Paltrow e Cate Blanchett.

Sobre a autora Patricia Highsmith

  • Nasceu no Texas em 1921.
  • Viciada em tabaco, morreu em Locarno, Suíça, em 1995, devido a um cancro no pulmão.
  • Foi escritora de romances, contos e roteiros. No entanto, a sua carreira começou quando escreveu banda desenhada nos anos 40.
  • A sua obra mais aclamada é aquela sobre o qual falámos neste clube de leitura: O Talentoso Mr. Ripley.
  • Apesar do sucesso mundial, a autora teve vários ciclos depressivos ao longo da sua vida, sendo que, em 1970, chegou mesmo a escrever num diário: "agora sou cínica, justamente rica, solitária depressiva e totalmente pessimista".
  • Patricia Highsmith sofreu ainda de problemas como anorexia nervosa, anemia crónica e doença de buerger, que inflama as veias e as artérias e está normalmente associada ao consumo de tabaco.
  • Ficou conhecida por duras críticas aos judeus. No entanto, terá tido relações com três mulheres judias.
  • É descrita por Pedro Boucherie Mendes como uma pessoa "meio detestável" e de quem "não era fácil de gostar".

"Todos nós já sonhámos em bater com um remo na cabeça de alguém"

  • É por esta identificação com o vilão que, diz Boucherie, "há um lado significante e nós percebemos porque é que o Ripley mata o Dickie".
  • O escritor descreve o assassino deste livro como "um vilão apaixonante, completamente imoral e camaleónico" e "um bocado ressabiado", pela vida dura que levou antes de ir para Itália. "Um cavalheiro, mas que não tem problema nenhum em matar se for necessário", acrescenta.
  • "O Tom Ripley faz o que tem de ser feito e nós gostamos desse tipo de identificação", refere Pedro Boucherie Mendes.
  • O escritor refere que "quando Ripley dá com um remo na cabeça de Dickie, nós só pensamos como é que ele se vai safar e não queremos saber do Dickie". Boucherie ironiza este sentimento com a frase: "Eu não ia levar flores à campa dele".

"Muitos de nós seriamos capazes de matar alguém se tivéssemos vantagens e não fôssemos apanhados"

  • A afirmação de Pedro Boucherie sugere, mais uma vez, a nossa identificação com o assassino.
  • Em debate, levantou-se a questão de se nascemos bons ou maus. Para o diretor de programas, "aquilo que é o nosso código moral deriva de sistemas de cooperação e sobrevivência da espécie" e "é do nosso interesse, enquanto indivíduos que fazem parte de um grupo, seguir regras".
  • Esta dúvida filosófica cai ainda na premissa de que, à partida, não é possível sabermos porque é que uma pessoa age de certa forma. "Não podemos perguntar a Deus: 'Tens 5 minutos? Porque é que as pessoas são assim?'", afirma Boucherie.

"Este é um livro muito literal"

  • Esta é a opinião de Pedro Boucherie Mendes, no que toca à forma como é descrita a trama d'O Talentoso Mr. Ripley.
  • "Estão sempre a acontecer coisas e não há muito monólogo interior" e "não tem personagens a mais nem a menos", diz o diretor de programas.
  • "O leitor tem o direito a que nós não lhe compliquemos demasiado a vida" e "o valor do entretenimento é este", remata.
  • Boucherie deixa ainda dicas das melhor circunstancias para nos perdermos neste enredo: "é o típico livro que podemos ler numa viagem da comboio Lisboa-Porto, numa viagem de avião Lisboa-Londres, num fim de semana".

"Os policiais têm que ver com o jogo entre o escritor e leitor"

  • Segundo Pedro Boucherie Mendes, o jogo passa por apresentar o crime, sendo que depois o leitor pensa: "agora vamos lá ver como é que o autor se safa".
  • A necessidade de "estar sempre do lado verosímil" dificulta a tarefa ao escritor, de acordo com Pedro Boucherie Mendes. "Nós não podemos meter sempre uma velhinha que tem insónias e que viu o criminoso às 4 da manhã", acrescenta.
  • "Escrever com plot sobre coisas que aconteceram por causa de outras coisas que aconteceram e que vão dar origem a outras coisas" é um trabalho complicado, na visão de Boucherie.
  • Para o também autor de policiais, Patricia Highsmith "faz este tricot magnificamente", não porque Tom Ripley "se safa, mas pela maneira como se safa". E "nós", refere, "tendemos a ficar do lado de quem é mais engenhoso".

"Eu nunca tive esse tipo de emoção no cinema":

  • Pedro Boucherie Mendes considera que o filme de 1999 d'O Talentoso Mr. Ripley tem "uma direção de arte fantástica: aquelas roupas, aquelas casas, aquela época, aquela Itália". No entanto, afirma que normalmente prefere sempre os livros aos filmes.
  • "A riqueza dos livros é muito difícil de passar para o cinema", refere o escritor, que diz também que "no cinema alguém faz o trabalho por nós".
  • O convidado deste clube de leitura afirma que fala sobre a emoção de ler um livro e diz: "eu nunca tive esse tipo de emoção no cinema".

Outros livros dos quais se falou:

  • The Silence of Storytelling – Will Storr
  • Alquimia: O Poder Surpeendente das Ideias Absurdas – Rory Sutherland
  • Rebecca – Daphne Du Maurirer
  • Livros de Alice Munro
  • O Agosto do Desassossego – Pedro Boucherie Mendes
  • Agora – Pedro Boucherie Mendes

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.