“Vão acontecer muitas coisas, estamos a trabalhar com um conjunto de entidades e o auge das evocações mais guardado é no final do ano, uma vez que José Régio nasceu em setembro e veio, depois, a falecer em dezembro”, disse hoje à agência Lusa a presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira.

José Régio, pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, foi professor e escritor, tendo nascido em Vila do Conde a 17 de setembro de 1901 e falecido na mesma cidade a 22 de dezembro de 1969.

Licenciado em filologia românica, em Coimbra, José Régio foi professor no Liceu de Portalegre durante mais de 30 anos.

“As evocações vão decorrer até 2020, pois queremos que tenham impacto a nível nacional e internacional. José Régio é um vulto enorme da literatura portuguesa e merece todo o nosso respeito, estando a ser programado um conjunto de iniciativas de enorme dignidade”, acrescentou.

Além de algumas iniciativas que já decorreram no início deste ano na cidade alentejana, as evocações dos 50 anos da morte de José Régio, autor de “Toada de Portalegre”, prosseguem este mês.

Na quarta e quinta-feira, a Casa Museu José Régio, em Portalegre, recebe “Uma casa cheia”, atividade de serviço educativo dirigida aos alunos do 1.º e 2.º ciclos do concelho.

Para o dia 23 deste mês (Dia Mundial do Livro), está prevista uma “maratona de leitura”, subordinada ao tema “Régio na rua - História de mulheres”, por iniciativa da Biblioteca Municipal de Portalegre.

“José Régio cidadão interveniente” é o tema da conferência marcada para o dia 26 deste mês, pelas 17:00, na casa-museu do poeta, sendo orador António Ventura, seguindo-se um debate com a participação de jovens políticos da cidade alentejana, que se vão debruçar sobre se, na atualidade, José Régio seria ou não um cidadão interveniente.

Ainda este mês, no dia 30, o Centro de Artes e do Espetáculo de Portalegre exibe o filme "Maria Papoila", de Leitão de Barros, a partir das 21:30.

José Régio, autor de “Fado português”, que Amália Rodrigues gravou, "Cântico negro" e “Toada de Portalegre”, entre outros poemas, foi professor no então liceu de Portalegre, cidade que preserva a sua casa como museu, incluindo coleções de escultura, pintura, faiança, mobiliário, metais e têxteis, destacando-se a dos Cristos.

A casa era uma pensão, onde Régio alugou um quarto, mas, ao longo dos 34 anos em que viveu na cidade, foi adquirindo outros quartos, até ficar com a casa por completo.

Em 1965, Régio vendeu a sua coleção ao município com a condição de este adquirir, restaurar e transformar a casa em museu, ficando o autor de “Vestido cor de fogo” com o usufruto até à sua morte. A casa-museu abriu portas a 23 de maio de 1971.

Além da poesia, o autor de “Davam grandes passeios aos domingos” escreveu teatro, ensaio e ficção.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.