“Neste tipo de operações de segurança, a questão fundamental é o controlo das multidões, quer do ponto de vista da segurança em geral, quer da própria segurança das pessoas que integram as multidões”, disse à Lusa Mário Mendes, que desempenhava as funções de secretário-geral do Sistema de Segurança Interna em maio de 2010, quando Bento XVI visitou Portugal.

Isto implica, segundo Mário Mendes, “uma articulação muito grande entre as forças de segurança e as forças de socorro e de apoio”, nomeadamente INEM, Direção-Geral de Saúde e bombeiros.

“Há necessidade de ter apostos qualquer tipo de assistência que seja necessária em acidentes que acontecem naturalmente neste tipo de grandes eventos”, afirmou, recordando que esta articulação foi feita em 2010, quando Bento XVI visitou Lisboa, Fátima e Porto.

O antigo secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, que coordenou a operação de segurança em 2010, sublinhou que o modelo de visita do papa Francisco a Fátima, 12 e 13 de maio, é diferente da que foi efetuada por Bento XVI, o que facilita a operação de segurança.

“Em 2010, o modelo da visita foi diferente. Foi simultaneamente oficial, de chefe de Estado, e religiosa. A visita de maio é simplesmente apostólica, dirige-se especificamente à cerimónia religiosa, além de não visitar Lisboa e Porto, que foram preocupações acrescidas”, disse.

Mário Mendes referiu que, além da segurança do santuário, as polícias vão ter como principal problema o “controlo de multidões”, que será um “trabalho quase de assistência psicológica e física às pessoas”.

No âmbito da operação de segurança, Mário Mendes destacou também “os aspetos ligados à segurança pessoal do papa”, que, tal como sucedeu na visita de 2010, tem que existir “uma articulação muito grande entre as forças de segurança e proteção pessoal portuguesas com os elementos da proteção pessoal do Vaticano”.

“Há um outro fator importantíssimo que é a recolha de informação, quer a que se coloca em termos das forças policiais, quer a que resulta da atividade dos serviços de segurança”, disse, avançando que, em 2010, “havia uma sala de situação que controlava diariamente o tipo de informação que ia chegando e que pode levar a um aumento do grau de segurança”.

De acordo com o antigo secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, na sala de situação estão presentes elementos de todas as forças e serviços de segurança, além da emergência médica e proteção civil.

Apesar de em 2010 as fronteiras não terem sido fechadas, como acontecerá em maio, Mário Mendes disse que existiu um reforço da vigilância das entradas, nomeadamente nos comboios internacionais que se dirigiram para Portugal, aeroportos e controlo das zonas portuários.

“Este trabalho desenvolvido pelo SEF e GNR foi fundamental”, afirmou, avançando que terá também que ser reforçado o controlo aeronáutico sobre o recinto e zona onde o papa se vai deslocar.

Mário Mendes disse ainda que, a 12 e 13 de maio, existirá no santuário de Fátima um grande dispositivo de segurança, destacando também o sistema de videovigilância, que em 2010 já existia em Fátima, e que considerou um “posto de controlo que está permanentemente atento a tudo”.

O despacho governamental publicado em Diário da Republica, a 23 de janeiro, indica que o santuário do Fátima e a área envolvente vão dispor de um sistema de 11 câmaras de videovigilância para a prevenção de crimes e atos terroristas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.