"Cerca de 20% dos adolescentes [inquiridos] reporta ter tido pelo menos uma vez na sua vida o envolvimento em comportamentos autolesivos", como por exemplo cortar-se, queimar-se ou arranhar-se com o intuito de magoar o próprio corpo para "regular emoções difíceis e intensas", disse à agência Lusa a investigadora Ana Xavier, que realizou o estudo ao longo de quatro anos, no âmbito do seu doutoramento.

O projeto desenvolvido no Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) envolveu um inquérito a 2.863 adolescentes, com idades entre os 12 e os 19 anos, a frequentar o 3.º ciclo e o ensino secundário em várias escolas do distrito de Coimbra, refere a nota de imprensa da Universidade de Coimbra (UC).

A taxa de prevalência encontrada, esclareceu à Lusa a investigadora do CINEICC, é semelhante àquela que é reportada em estudos internacionais.

De acordo com o estudo, as raparigas reportam um "maior envolvimento" em comportamentos autolesivos, sendo também elas as que relatam "maiores níveis de sintomas depressivos" e tendem a "ser mais autocríticas e a relatar maiores problemas com o grupo de pares".

Há também uma maior incidência de autolesões entre os 15 e 16 anos, faixa etária que "coincide com um maior desenvolvimento do pensamento abstrato e comparação social com os outros", notou Ana Xavier.

Segundo a responsável pela investigação, os comportamentos autolesivos não sugerem "intencionalidade de suicídio". No entanto, "este é um fator de risco", sublinhou.

Os resultados "são importantes porque alertam para a importância de se fazerem intervenções e de se estar atento a este tipo de dificuldades" nos adolescentes.

Para a investigadora, seria fundamental a criação de programas de "prevenção e de intervenção para ajudar" os jovens a lidarem de "forma mais eficaz com experiências emocionais", através de "processos de regulação emocional mais adaptativos", como estratégias de autotranquilização e de autocompaixão.

O estudo demonstra ainda que há uma tendência dos adolescentes que são vitimizados pelos seus colegas a serem "mais autocríticos e, por sua vez, a experienciarem mais sintomas depressivos e a envolverem-se em comportamentos autolesivos".

Em declarações à Lusa, Ana Xavier aponta também para o facto de os adolescentes que recordam "experiências de ameaça, de subordinação e desvalorização nas relações precoces com a sua família" tendem a experienciar "maiores níveis de sintomas de depressão" e a autolesarem-se.

"Estes adolescentes não recordam apenas as experiências negativas com a sua família. Relatam poucas experiências positivas de calor, de suporte de segurança", constatou a investigadora.

O estudo da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.