O acordo para o reconhecimento mútuo da cachaça e da tequila, como Indicações Geográficas e Produtos Diferenciados de ambos os países, "vai assegurar a proteção recíproca de nossos respectivos mercados", disse em comunicado à imprensa, na Cidade do México, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, na companhia de seu par, a mexicana Claudia Ruiz Massieu.

O tratado evitará a "concorrência desleal de produtos que pretendam beneficiar indevidamente da alta reputação" dessas duas bebidas e aborda "objetivamente questões técnicas que poderiam dificultar o comércio bilateral", adiantaram as entidades oficiais. As negociações para o reconhecimento da cachaça, aguardente de cana utilizada para fazer a famosa caipirinha, e a tequila foram impulsionadas pelos presidentes Enrique Peña Nieto e Dilma Rousseff, após uma reunião bilateral em maio do ano passado. Em 2015, a produção de tequila alcançou 248,3 milhões de barris, de acordo com números do Conselho Regulador deste produto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.