“A minha opinião não vai mudar em seis meses”, disse Trump numa entrevista à rede de televisão conservadora Fox News, a primeira televisiva desde as eleições de 03 de novembro.

“Houve uma tremenda quantidade de fraude ... fraude maciça”, acrescentou.

As críticas renovadas de Trump, hoje proferidas, contrastam com as decisões judiciais que rejeitaram as alegações de “fraude” eleitoral, feitas pela sua equipa, por ausência de provas.

“Dizer que uma eleição é injusta não faz com que seja assim. As acusações exigem acusações específicas e depois provas. Não temos nenhum dos dois aqui”, disse, na sexta-feira, o juiz Stephanos Bibas, do Tribunal de Recurso de Filadélfia (Pensilvânia), que foi nomeado pelo próprio Presidente Trump para o cargo.

Na quinta-feira, Trump tinha assinalado que deixaria o cargo se o colégio eleitoral votasse no democrata Joe Biden.

Na última semana, os resultados foram oficializados na Pensilvânia, Michigan e Geórgia, três dos principais estados que Trump perdeu nas eleições e que sustentam a vitória do democrata.

Hoje foi concluída a recontagem dos votos no Wisconsin, exigida pela campanha do presidente, mantendo a vitória de Biden por uma margem de 20.000 votos, que deverá ser certificada nos próximos dias.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.