O campeonato recomeça já esta sexta-feira com a receção do Famalicão ao SL Benfica (19h00, SportTV), mas a estreia da equipa de Jorge Jesus na Liga NOS, que tudo tinha para ser o tema de falatório do momento, após a eliminação prematura da Liga dos Campeões — aos pés de um PAOK orientado pelo técnico português Abel Ferreira e onde milita aquele que passará a ser conhecido como Andrija ‘Judas’ Zivkovic —, depois de um investimento no plantel de 80 milhões de euros, foi engolida pela realização — ou não — daquele que é o primeiro grande ponto interrogação de um campeonato a decorrer em tempos de pandemia, o Sporting CP - Gil Vicente.

Sabemos que, pelo menos, até outubro, em Portugal, o futebol continuará a ser um lugar estranho em que os cânticos, gritos, desalentos e festejos dos adeptos são substituídos pelos sons corriqueiros de um dia de treino de qualquer equipa, até então quase desconhecidos do grande público, do eco de uma baliza no poste, do falatório dentro de campo, agora ampliado por um estádio vazio. "Agora no futebol ouve-se tudo", disse-me um dia um amigo meu. Pois é, antes o público engolia o espetáculo e espremia-o até só sobrar a bola de pé em pé, de pé em cabeça, a receção no peito, o cabeceamento, a finta, o remate, a defesa. Enfim, o produto final que nos aquece e arrefece o coração.

Mas tão estranho como um jogo em que se ouve tudo é um jogo em que não acontece nada, no sentido mais literal que a expressão pode adquirir. É que neste novo campeonato, a ausência de público é uma certeza, mas a realização dos jogos não, e o Sporting e o Gil são os primeiros dois emblemas a sofrer na pele isso mesmo.

Sem mais demoras, vamos ao que se passa em cada clube:

Sporting CP: Há 10 casos positivos de Covid-19 nos leões: oito jogadores e dois elementos do staff, um deles o treinador Rúben Amorim, o outro João Pedro Araújo da equipa médica. No que diz respeito aos atletas, e de acordo com informação não oficial, mas veiculada na imprensa desportiva, assumidamente confirmada pelos meios, também Luís Maximiano, Renan, Borja, Gonçalo Inácio, Rodrigo Fernandes, Pote e Nuno Santos testaram positivo à Covid-19. O que é isto significa? Que todos os nomes referidos terão de cumprir um período de isolamento obrigatório de 14 dias o que tem implicações diretas nos jogos o com Gil Vicente e Paços de Ferreira a contar para Liga NOS, ou seja, a primeira e segunda jornada do campeonato, e ainda para a 3ª pré-eliminatória da Liga Europa, no dia 24, frente ao vencedor do Viking-Aberdeen, que será conhecido quinta-feira. Recorde-se que o elevado número de infeções no conjunto de Alvalade já levou a DGS a cancelar o encontro entre leões e os italianos do Nápoles a contar para a taça da equipa da casa que serve também de apresentação aos sócios, o Troféu Cinco Violinos.

Gil Vicente: O caso da equipa de Barcelos não é melhor. O plantel orientado por Rui Almeida voltou esta quarta-feira aos treinos, após uma paragem de cinco dias pedida pelo delegado de saúde local depois de 10 jogadores terem testado positivo  à Covid, antes do amigável com o Vitória Sport Clube e de os restantes 15 terem repetido o teste. Agora sendo 15 o número final, ao que tudo indica, o Gil Vicente deslocar-se-á a Lisboa com um número muito reduzido de jogadores, 11 titulares mais quatro suplentes. Isto se todos eles testarem negativo na próxima bateria de testes, obrigatória, 48 horas antes do embate com o jogo do Sporting CP.

Traçado o prefácio com que partimos para este jogo, é importante referir que podem existir neste momento duas razões para o jogo não se concretizar. A primeira será um parecer negativo da Direção-Geral da Saúde ou da Autoridade Regional da Saúde. Sobre este ponto, Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, pronunciou-se hoje durante a regular conferência de imprensa de análise aos novos dados da pandemia em Portugal dizendo que o que poderá acontecer é “um adiamento do jogo e nunca a paragem da I Liga”, garantindo que "os meus colegas do Gil Vicente e do Sporting estão a fazer tudo para ver se há condições para que o jogo se realize. [...] É um tema complexo, dado o número elevado de infeções nas duas equipas", afirmou Graça Freitas. A outra hipótese para o jogo não se realizar é relativa à regra 3 das Leis de Jogo que diz: O jogo será disputado por duas equipas compostas por um máximo de 11 jogadores em cada uma, dos quais um será o guarda-redes. Nenhum jogo pode começar se uma das equipas dispuser de menos de sete jogadores”.

Com mais ou menos infetados, certeza absoluta é que não será o espetáculo que queríamos, quer aconteça e os dois emblemas não estejam na sua máxima força, quer não aconteça e os adeptos de ambos os lados fiquem mais uma semana à espera de ver os clubes pelos quais palpita o coração. Mas afinal de contas, é só mais uma invulgaridade deste novo normal em que somos obrigados a viver.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.