De acordo com o comunicado diário do CIVISA sobre a crise sismovulcânica na ilha de São Jorge, foi registado hoje um sismo às 06:03 locais (07:03 em Lisboa), com magnitude de 2,4 na escala de Richter e epicentro a 1km de Santo Amaro, que foi sentido pela população das Velas e da Urzelina, com intensidade de III/IV na escala de Mercalli Modificada.

No domingo, às 14:37, ocorreu um sismo de magnitude de 1,9 na escala de Richter, com epicentro a 1km da Beira, sentido apenas na Urzelina, com intensidade de III na escala de Mercalli Modificada.

Desde que se iniciou a crise sismovulcânica na ilha de São Jorge, em 19 de março, já foram registados mais de 32.300 sismos, dos quais “270 sentidos pela população”.

Segundo o CIVISA, a atividade sísmica que se tem vindo a registar “desde a Ponta dos Rosais até à zona do Norte Pequeno – Silveira”, na ilha de São Jorge, “continua acima do normal”.

A ilha mantém o nível de alerta vulcânico V4 (ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa "estado de repouso" e V6 "erupção em curso".

O sismo de maior magnitude (3,8 na escala de Richter) ocorreu no dia 29 de março, às 21:56.

De acordo com a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), fortes (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).

A escala de Mercalli Modificada mede os “graus de intensidade e respetiva descrição” e, quando há uma intensidade III, considerada fraca, o abalo é “sentido dentro de casa” e “os objetos pendentes baloiçam”, sentindo-se uma “vibração semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados”, descreve-se no ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O regulamento do voucher “Welcome to São Jorge” foi hoje publicado em Jornal Oficial, depois de ter sido aprovado em Conselho de Governo na passada quinta-feira.

Segundo a resolução do Conselho de Governo, é “um incentivo financeiro à dinamização da economia local, como forma de atenuar o impacto decorrente da crise sismovulcânica na ilha de São Jorge, utilizável, exclusivamente, na aquisição de bens ou serviços em atividades relacionadas com o setor turístico”.

O voucher começa a ser atribuído “cinco dias úteis” após a publicação da resolução, vigorando até ser atingido o montante global destinado a esta medida.

No entanto, o Governo regional tem prevista uma “reavaliação trimestral” para determinar a sua “continuidade ou cessação”.

“O montante global máximo do apoio para realização da despesa com o voucher ‘Welcome to São Jorge’ é fixado em 330 mil euros”, lê-se no regulamento do incentivo.

Cada voucher tem um valor de 35 euros e é destinado a “todos os visitantes não residentes na ilha de São Jorge, com idade igual ou superior a 12 anos”, que apresentem “comprovativo de viagem e de reserva de alojamento de qualquer empreendimento turístico” na ilha e preencham um formulário.

O incentivo pode ser utilizado, num prazo de 15 dias a contar da viagem, na aquisição de bens e serviços na ilha, em estabelecimentos aderentes nas áreas de alojamento, transporte terrestre de passageiros, restauração e bebidas, aluguer de equipamento de transporte, aluguer de bens recreativos e desportivos, agências de viagens, recreação e lazer e outros serviços de turismo.

O executivo açoriano justifica esta medida com as “repercussões sociais e económicas” provocadas pela crise sismovulcânica na ilha de São Jorge, que decorre desde 19 de março.

“Com o prolongamento desta situação, o impacto sobre a economia local tem vindo a agravar-se, em virtude das perdas verificadas, sobretudo ao nível do turismo e do comércio, pondo em causa a sustentabilidade das pequenas e médias empresas”, aponta a resolução do Conselho de Governo, acrescentando que as empresas, “fragilizadas por dois anos de pandemia, começavam a evidenciar sinais de recuperação”.

Segundo o Governo Regional, o turismo é “um dos setores mais afetados cumulativamente pela pandemia, pelo conflito armado [na Ucrânia] e ainda pela crise sismovulcânica”.

A criação do voucher visa, por isso, “aumentar os fluxos turísticos para a ilha de São Jorge, de forma a dinamizar a economia local e compensar as perdas decorrentes da situação sismovulcânica”.

De acordo com dados do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), desde 19 de março foram registados mais de 32.300 sismos na ilha de São Jorge, dos quais 269 sentidos pela população.

A ilha mantém o nível de alerta vulcânico V4 (ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa "estado de repouso" e V6 "erupção em curso".

O sismo de maior magnitude (3,8 na escala de Richter) ocorreu no dia 29 de março, às 21:56.

De acordo com a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), fortes (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).

A escala de Mercalli Modificada mede os “graus de intensidade e respetiva descrição” e, quando há uma intensidade III, considerada fraca, o abalo é “sentido dentro de casa” e “os objetos pendentes baloiçam”, sentindo-se uma “vibração semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados”, descreve-se no ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.