A medida consta do programa do XIII Governo Regional, liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, que foi entregue hoje na Assembleia Regional.

“O Governo [Regional] aprovará um plano regional de vacinação contra o vírus Sars-Cov2, sob aconselhamento da comissão especial, que será articulado com o plano nacional que está a ser delineado por uma comissão nacional”, lê-se no documento.

O objetivo do plano regional é “assegurar a vacinação de todas as pessoas que desejem ser vacinadas”, conforme as “prioridades que, tecnicamente, venham a ser definidas para o efeito”.

No capítulo intitulado “Governar em pandemia”, o executivo açoriano apresenta como “prioridade” dotar o Serviço Regional de Saúde (SRS) “dos meios humanos e materiais necessários para enfrentar” o cenário pandémico, ressalvando, contudo, que “os recursos têm de ser também utilizados para a prestação normal de cuidados de saúde”.

O Governo dos Açores recorda que já criou uma Comissão Especial de Acompanhamento da Luta Contra a Pandemia, liderado pelo médico Gustavo Tato Borges.

Contudo, o executivo salienta que a comissão tem uma “natureza temporária”, uma vez que é defendido que “tais funções devem ser exercidas pelo Coordenador Regional de Saúde Pública e pela sua equipa, de modo permanente”.

No programa de governo, é proposta a “separação entre o cargo de diretor regional e da Autoridade Regional de Saúde”, uma separação que “será concretizada pela apresentação à Assembleia Legislativa de uma proposta de decreto legislativo regional”.

“Para este Governo a opção é clara: cabe à direção regional da Saúde o rigor na gestão, a qualidade dos serviços prestados, a eficácia na organização e nos procedimentos do SRS. Compete à Autoridade Regional de Saúde a planificação estratégica do combate epidemiológico”, aponta o programa do governo.

Segundo o enquadramento jurídico atual, o diretor regional da Saúde do governo açoriano é por inerência o responsável pela Autoridade de Saúde Regional.

Na área da solidariedade social, o executivo liderado por Bolieiro compromete-se a tomar “medidas de apoio aos mais pobres”, “especialmente” destinadas às pessoas afetados pela pandemia.

O Governo dos Açores vai ainda delinear, após auscultados os parceiros sociais, um “plano de reativação e retoma económica”, que irá conter “medidas de mitigação do impacto económico dos efeitos da crise”.

A intenção do executivo é que o plano de retoma económica permita o “combate estrutural aos efeitos sociais e económicos da pandemia”, bem como a “recuperação das fragilidades do ecossistema empresarial agravadas” pela covid-19.

“Este plano terá como objetivo o relançamento da economia dos Açores a partir de 2021, utilizando os recursos financeiros atribuídos à região pelo novo quadro financeiro plurianual e pelo plano de recuperação e resiliência”, afirma o novo governo açoriano.

O Programa do XIII Governo dos Açores foi hoje entregue na Assembleia Legislativa da região e será discutido e votado na próxima semana.

PSD, CDS-PP e PPM, que juntos representam 26 deputados, assinaram um acordo de governação. A coligação assinou ainda um acordo de incidência parlamentar com o Chega e o PSD um acordo de incidência parlamentar com o Iniciativa Liberal (IL), somando assim o número suficiente de deputados para atingir uma maioria absoluta.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.