A cantora brasileira vai estar um semestre na Universidade de Coimbra, entre aulas, incursões a bibliotecas e passeios por uma cidade "cheia de contrastes e de camadas de tempo", numa experiência em que tanto será professora como artista, afirmou.

"É um semestre como professora, mas ao mesmo tempo é uma residência artística. Muito provavelmente deve resultar em alguma coisa: um disco, um livro, alguma coisa que eu não quero pensar 'a priori'", contou Adriana Calcanhotto, que falava aos jornalistas depois de dar a sua primeira aula aberta, intitulada "Eu ando pelo mundo".

A artista espera que esse trabalho resulte da "vivência da universidade e da cidade", que, aos seus olhos, é "bem atraente", tendo sido palco "de acontecimentos muito importantes tanto para Portugal como para o Brasil".

A professora convidada da Faculdade de Letras deu hoje uma aula centrada na sua história de vida, mostrando-se desconfortável por utilizar tanto a primeira pessoa, ao ponto de apelidar a 'masterclass' de "eu, eu, eu".

"É a situação mais difícil da minha vida: uma aula a falar de mim mesma", constatou Adriana Calcanhotto, perante uma plateia onde estavam muitos estudantes brasileiros.

Durante três horas e com muitas canções à mistura, a cantora brasileira falou do seu percurso enquanto artista, desde a criança que ouvia a música popular na rádio da "babá", ao crescimento com referências como Miles Davis ou Erik Satie, passando pelo guarda-roupa "estranho" da sua adolescência definido pela descoberta da tropicália, de Ney Matogrosso e de Secos e Molhados.

No Auditório da Reitoria, houve espaço para muitas referências, num cruzamento entre poesia e música, onde coube Ferreira Goulart - "nunca me cansou de me surpreender", Chico Buarque, Vinícius de Moraes, o livro "A Mulher que matou os peixes", de Clarice Lispector, com o qual passou a sentir que era uma leitora e não uma criança, ou a tradução de Augusto de Campos de um poema de John Donne, "Elegia", que depois rodava nas rádios pela voz de Caetano Veloso ou de Simone.

"Um poeta extremamente erudito que se ouvia na rádio e se via na televisão antes de se ler algum livro. O Augusto de Campos conheci na rádio", sublinhou a artista, que ainda falou da beleza do punk por não haver controlo nem ensaio e do seu primeiro disco "que saiu todo errado".

Já quase no final da aula, Adriana Calcanhotto atirou-se contra as "classificações" da música, que considerou "uma coisa perigosa", nomeadamente aquilo a que se chama de "música infantil".

"Um dia vai-se fazer música para pobre? Para refugiado? Quem é que me pode dizer o que é música infantil? É uma invenção do adulto", afirmou.

Entre fevereiro e junho, Adriana Calcanhotto vai escrever um livro para crianças sobre a UC e "desenvolver um plano de atividades intenso" na Faculdade de Letras, nomeadamente aulas abertas, ateliês sobre escrita e produção artística, palestras e exposições.

Nas aulas será possível perceber "as influências que [a artista] mobiliza e como tudo isso se mistura para produzir alguma coisa com um perfil próprio e um perfil que tem impacto sobre as pessoas", explanou à Lusa o coordenador do Instituto de Estudos Brasileiros, Osvaldo Manuel Silvestre.

"Pode ser inspirador para os estudantes que procuram um rumo, um caminho", notou o docente, considerando que há que fugir "à codificação" que hoje se vive daquilo que é a noção de "ensino" e recuperar "o essencial, que é transmitir um certo entusiasmo e fervor pelas matérias em causa".

"O Brasil precisa da Universidade de Coimbra como nunca"

Adriana Calcanhotto, que falava aos jornalistas, considerou que o Brasil está "a viver uma tragédia anunciada" na educação, tendo "perdido gerações", sublinhando que a Universidade de Coimbra (UC) pode ajudar nessa matéria.

Questionada pela agência Lusa, afirmou que o executivo liderado pelo presidente Michel Temer "não dá sinais melhores" nesta área.

A artista brasileira considera, no entanto, que o resultado não é de agora, "mas uma coisa de muitos anos, infelizmente".

Adriana Calcanhotto deu hoje a 'masterclass' "Eu ando pelo mundo", a primeira de muitas iniciativas da embaixadora da UC no Brasil, que vão decorrer durante este semestre, entre aulas abertas, palestras, ateliês e exposições.

A professora convidada da Faculdade de Letras deu uma aula centrada no seu percurso enquanto artista, classificando-a de "eu, eu, eu".

"Era difícil falar de mim própria", notou a artista, realçando que as outras aulas serão sobre assuntos que gosta de estudar e de pensar, como a poesia brasileira e portuguesa e a alta poesia veiculada pela música - desde a Grécia até "ao fenómeno que se dá no Brasil".

Calcanhotto falou deste semestre como uma "maravilha" que está a viver, por poder dar "aulas sobre coisas que não se ensinam", pela "oportunidade de conviver com os professores" e de frequentar bibliotecas, bem como pela possibilidade de aprofundamento da "relação entre a Universidade de Coimbra e o Brasil".

A artista brasileira contou com um auditório meio cheio, com muitos estudantes brasileiros, entrecortando a aula com algumas músicas, apenas acompanhadas de viola, como "Devolva-me", "Esquadros" ou "Traduzir-se".

O Brasil é a origem da maioria dos estudantes que têm ingressado na Universidade de Coimbra ao abrigo do estatuto do estudante internacional, em que os alunos pagam cerca de sete mil euros de propinas, contra pouco mais de mil euros para portugueses.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.