A polícia disse inicialmente que drones (aparelhos aéreos não tripulados) tinham sobrevoado duas centrais nucleares suecas em Forsmark, a norte de Estocolmo, e em Oscarshamn, na região sudeste do país.

Mas, mais tarde, os serviços secretos, conhecidos pelo acrónimo sueco SAPO, indicaram que um outro drone tinha sido visto a sobrevoar uma terceira central nuclear, localizada em Ringhals, a maior das três estruturas e fica na costa oeste do país.

Neste momento, a polícia não tem suspeitos.

“No que diz respeito aos casos destes sobrevoos de drones em três centrais nucleares, a avaliação feita levou a que as investigações preliminares fossem retiradas às autoridades policiais a fim de se poder investigar os incidentes de forma mais pormenorizada”, informaram os serviços secretos suecos, em comunicado.

Na sexta-feira, a polícia foi alertada para a presença dos drones, mas perdeu o rasto dos aparelhos.

Segundo a imprensa sueca, os drones eram suficientemente grandes para suportar o vento forte que soprava sobre a área.

Hans Liwang, professor do Colégio de Defesa Nacional Sueco, afirmou à televisão nacional SVT que a Suécia não está bem preparada para este tipo de acontecimento.

“Não adaptámos muito a nossa forma de ver este tipo de evento à realidade de hoje”, disse o académico.

“Ainda pensamos no mundo como estando em paz ou em guerra”, acrescentou.

Em 2019, o reator 2 da central de Ringhals, no sudoeste da Suécia, foi permanentemente fechado, tendo os operadores justificado a medida com o aumento dos custos de manutenção da operação e com a ausência de lucro.

A par desta estrutura, existem outras duas centrais nucleares desativadas na Suécia: Barseback, que fica numa estreita via navegável entre a Suécia e a Dinamarca, e Agesta, a sul da capital sueca de Estocolmo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.