"As aldeias de Estevais, Cardanha e Adeganha já não correm perigo devido ao incêndio, apesar da aflição inicial que durou algumas horas. Não temos o conhecimento de casas ardidas ou vítimas", indicou José Moreiras à Lusa.

Segundo o autarca, o fogo à sua passagem queimou três ou quatro palheiros junto a Estevais e Cardanha.

Já o Comandante Operacional Distrital de Operações e Socorro (CODIS) de Bragança, João Noel Afonso avançou que o fogo está concentrado em zonas de mato de difícil acesso e que o dispositivo de combate às chamas está ser reforçado.

"Estamos a concentrar meios de combate ao incêndio no concelho de Torre de Moncorvo" frisou o CODIS.

O comandante disse também não ter conhecimento de danos materiais ou humanos, resultantes do incêndio que lavra em duas frentes na União de Freguesias de Adeganha e Cardanha.

"Ao início da tarde viveram-se alguns momentos de aflição, tendo sido necessário reorganizar o dispositivo na aldeia de Estevais", enfatizou João Noel Afonso.

O alerta para o incêndio que lavra na União de Freguesias de Adeganha e Cardanha foi dado às 14:41.

"As condições atmosféricas são adversas, nomeadamente o vento que dificulta a progressão dos operacionais no terreno, que já por si é acidentado", indicou o CODIS.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), às 20:00 estavam empenados no combate às chamas 94 bombeiros apoiados por 34 viaturas, meio aéreo e duas máquinas de rastos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.