Depois do fundador desta força política ter assinalado no seu discurso de sábado que a Aliança não é um partido de um homem só, foram hoje dados a conhecer os nomes que o acompanharão nos próximos três anos.

Além de Pedro Carvalho Cirilo (antigo secretário-geral adjunto do PSD) como diretor executivo (o equivalente ao secretário-geral noutras forças políticas), também antigo dirigente do PSD, a Direção Política Nacional contará com sete vice-presidentes – Ana Pedrosa-Augusto, António Martins da Cruz, Bruno Ferreira Costa, Carlos Pinto, Carlos Poço, João Borges da Cunha e Rosário Águas.

O embaixador António Martins da Cruz foi ministro dos Negócios Estrangeiros do XV Governo Constitucional, chefiado por Durão Barroso, entre 2002 e 2003.

Rosário Águas, que, nos governos PSD, foi secretária de Estado da Habitação (2003-2004), da Segurança Social (2004) e da Administração Pública (2004-2005), ocupa outra das da vice-presidências, assim como o antigo presidente social-democrata da Câmara da Covilhã, Carlos Pinto.

Também o antigo deputado à Assembleia da República e ex-presidente da concelhia de Leiria do PSD, Carlos Poço, será um dos “vices” da Aliança.

Ana Pedrosa-Augusto, 38 anos, é advogada e representa a cantora Madonna, que recentemente passou a residir em Lisboa.

Apesar de não querer falar dos seus clientes, a dirigente assumiu-se como “exatamente a mesma pessoa” que sempre foi, uma “advogada que agora integra este projeto novo”, mas “sem nunca deixar de ser” o que é.

“Como eu nunca fui militante, nunca fui simpatizante, nunca tive qualquer atividade política, acho que, pelo menos, trago ou tenho a possibilidade de trazer um olhar de quem não tem nada a ver com isto nem com este meio”, contou à agência Lusa Ana Pedrosa-Augusto, referindo que vê a Aliança como “um novo desafio, uma nova missão”.

O que a atraiu na Aliança foram os valores que o partido defende, o facto de o partido se assumir como “liberal, personalista e solidário”.

Bruno Ferreira Costa é professor de ciência política na Universidade da Beira Interior. Antes da Direção Política, passou também pela Comissão Instaladora do partido.

À Lusa, afirmou que aderiu à Aliança em setembro “logo na fase inicial”.

“Foi naturalmente com muita satisfação que recebi o convite para ser um dos candidatos a vice-presidente da Direção Política Nacional”, referiu.

Por isso, aceitou o desafio “com muito orgulho, com muito entusiasmo”, acreditando estar a construir “um partido novo, um partido que sabe a ousa fazer diferente e que, acima de tudo, se preocupa com Portugal”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.