Destacando que se tratou das “terceiras eleições gerais desde que a paz foi restabelecida, em 2002” e que elas “representam um importante momento de transição política no país”, o porta-voz da responsável da UE não fez, em comunicado, qualquer referência aos resultados, ainda provisórios, do escrutínio que dão a vitória ao MPLA, partido no poder há quase 38 anos, com 61,70% dos votos.

“Os eleitores foram às urnas em grande número num clima pacífico, demonstrando o seu compromisso com a democracia”, frisou.

“Além disso, esta altamente contestada eleição foi marcada por uma eficiente organização do processo de votação”, acrescentou a Alta Representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança da UE, nunca referindo as acusações de fraude eleitoral feitas pela oposição angolana.

Apenas salientou que, “neste momento, é importante que o processo eleitoral seja concluído com total transparência e que qualquer queixa apresentada o seja por meios legais”.

“Em eleições futuras, devem prosseguir os esforços para consolidar as condições de igualdade”, sublinhou ainda.

“A UE vai continuar a acompanhar o processo e está pronta para melhorar as relações bilaterais com Angola neste novo capítulo da sua história”, concluiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.