“A comunhão na opção europeia não elimina, por exemplo, uma rutura quanto à urgência e natureza da reforma da União Económica e Monetária (UEM)”, escreve António Costa no prefácio do livro do sociólogo André Freire “Para lá da ‘Geringonça’ – O Governo de esquerdas em Portugal e na Europa” (Ed. Contraponto).

O líder socialista relativiza esta “rutura quanto à urgência de reforma” da UEM, afirmando que ela “é natural numa UE que, à medida que reforçou a integração política, foi-se tornando o novo espaço de confronto das diferentes famílias políticas”.

António Costa lembra que desde os anos 80 “a democracia cristã – duradoura parceira da social-democracia na reconstrução do pós-guerra – foi cedendo o seu lugar a um liberalismo radical”.

No prefácio, o chefe do Governo António Costa defende também que “era um dever” o PS tentar formar um Governo com o apoio da esquerda no parlamento, que deu “mais democracia” e “mais e melhores opções”.

O acordo dos socialistas com o PCP, BE e PEV, argumentou, conseguiu “romper esta assimetria” ou tendência de apenas se fazerem entendimentos à direita, que conseguiu uma “tripla vantagem: na disputa eleitoral, na capacidade de formar governos maioritários e na capacidade de condicionar as políticas e medidas de governos minoritários do PS”.

Costa lembra que é favorável “soluções governativas com BE, PCP e PEV” e sublinha que “a legitimidade da representação só os cidadãos a definem no voto”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.